Banca & Finanças Costa propõe centralizar gestão do malparado
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Costa propõe centralizar gestão do malparado

Não há veículo para malparado. A proposta do Governo prevê centralizar a gestão de créditos transversais a mais do que um banco. Sector está optimista com o cenário base, que não exige mais capital. Mas é preciso trabalhar os detalhes da solução.
Costa propõe centralizar gestão do malparado
Miguel Baltazar
Maria João Gago 09 de junho de 2017 às 00:01

A proposta do Governo para resolver o problema do crédito malparado dos bancos deixa cair a criação de um veículo e a ideia de os activos saírem já dos balanços das instituições financeiras.

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Quiseram pôr o Estado a salvar os bancos de retalho detidos por privados para salvar bancários, seus sindicatos, pensões e mais alguns interesses muito duvidosos. E tudo isto para quê? Para que esses bancos de retalho concedessem crédito para a internacionalização das empresas portuguesas não foi certamente porque isso nunca mais aconteceu nem pelos vistos acontecerá. Estes bancos resgatados em vez de se reestruturarem e transformarem em bancos de investimento, organizações fintech, firmas de gestão de investimentos, sociedades de capital de risco e private equity, foram e continuam a ir pelo caminho mais fácil e mais insustentável do crédito ao consumo e à habitação concedidos à legião de excedentários de carreira sindicalizados no país da UE onde o capital está já quase todo aplicado e transformado em prédios e pouco ou nada em máquinas que criem valor sob a forma de bens e serviços transaccionáveis à escala global de elevado valor acrescentado.

comentários mais recentes
pertinaz Há 1 semana

CLARO... SÓ ASSIM PODE PÔR O CONTRIBUINTE A PAGAR O QUE RESTA...

ESTE ESTUPOR AINDA É PIOR QUE O ESTUPOR DO PINÓQUIO...!!!

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Coice de BURRO e imprevisto,e eles ja foram dois:a cx que ficou a queixar-se de um coice PERPETUO COM UMA MODESTA TAXA DE 10,50 ao ano.E o outro coice prende-se com a garantia dada aos americanos pela aquisicao gratuita do banco recauchutado.No fundo tambem ela PERPETUA E SEU VALOR ANUNCIADO.

Anónimo Há 2 semanas

Quiseram pôr o Estado a salvar os bancos de retalho detidos por privados para salvar bancários, seus sindicatos, pensões e mais alguns interesses muito duvidosos. E tudo isto para quê? Para que esses bancos de retalho concedessem crédito para a internacionalização das empresas portuguesas não foi certamente porque isso nunca mais aconteceu nem pelos vistos acontecerá. Estes bancos resgatados em vez de se reestruturarem e transformarem em bancos de investimento, organizações fintech, firmas de gestão de investimentos, sociedades de capital de risco e private equity, foram e continuam a ir pelo caminho mais fácil e mais insustentável do crédito ao consumo e à habitação concedidos à legião de excedentários de carreira sindicalizados no país da UE onde o capital está já quase todo aplicado e transformado em prédios e pouco ou nada em máquinas que criem valor sob a forma de bens e serviços transaccionáveis à escala global de elevado valor acrescentado.

Anónimo Há 2 semanas

Mal nacido ladron de mierda te voy a matar robaste nuestro dinero de Banif

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub