Tecnologias Costa: "Temos de surfar esta onda" da revolução digital

Costa: "Temos de surfar esta onda" da revolução digital

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje em Leiria que Portugal tem de surfar a onda da revolução digital sem hesitações, porque é a primeira grande oportunidade do país estar na crista de uma nova revolução industrial.  
Costa: "Temos de surfar esta onda" da revolução digital
Bruno Simão/Negócios
Lusa 30 de janeiro de 2017 às 14:56

"Este é um daqueles momentos em que não podemos hesitar: Se temos medo da onda e procuramos abrigo ou se procuramos a onda e a vamos surfar. Creio que aqui não há nenhuma hesitação a ter, temos de surfar esta onda", afirmou António Costa.

 

"Esta é primeira grande oportunidade de estarmos na crista de uma nova revolução industrial, sem que a distância ou a falta de recursos nos coloque em posição desfavorável", adiantou, frisando que, pelo contrário, Portugal possui "todos os recursos que são essenciais".

 

Intervindo na apresentação do programa Indústria 4.0 - Economia Digital, António Costa disse ainda que a chamada revolução digital "é a primeira revolução industrial em que Portugal não parte em desvantagem".

 

Segundo o governante, o país tem "os ingredientes de base" para estar na crista da onda: uma boa infra-estrutura tecnológica de comunicações e "sobretudo, daquilo que é fundamental, um conjunto de quadros altamente qualificados, universidades e politécnicos dinâmicos e um tecido empresarial apto a receber o conhecimento", disse António Costa.

 

Quanto aos recursos humanos qualificados, o primeiro-ministro disse que o país não se pode dar ao luxo de os continuar a ver partir para o estrangeiro.

 

"Pelo contrário, temos de continuar a formar mais, a fixá-los e a dar-lhes perspectivas de desenvolvimento e de futuro aqui em Portugal", alegou.

 

O primeiro-ministro sustentou ainda que a revolução digital assenta no conhecimento, inovação e capacidade tecnológica, definindo-a como uma "enorme oportunidade" de gerar emprego "mais qualificado, com mais conhecimento, mais bem remunerado e mais estável".

 

O governante alertou que este emprego "é altamente competitivo em termos internacionais" e que não é possível mantê-lo com condições precárias e baixos salários.

 

"Não é possível atrair e fixar talento com uma política de baixos salários, não é possível atrair e fixar talento com base na precariedade", avisou António Costa.

 

 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado alberto9 31.01.2017

Deve ser é mais dinheiro atirado para formação como foi do tempo da entrada na CEE, que só serviu para encher o bolso a alguns. Se investisse em melhor ensino, mais direcionado para as necessidades do país, reparação das escolas que metem agua e são frias de inverno, isso é que seria grande ajuda. Profissionais das TIC com habilitações existem aos montes, só não têm é empregos com ordenados decentes e ainda querem formar mais para irem para a miseria

comentários mais recentes
alberto9 31.01.2017

Deve ser é mais dinheiro atirado para formação como foi do tempo da entrada na CEE, que só serviu para encher o bolso a alguns. Se investisse em melhor ensino, mais direcionado para as necessidades do país, reparação das escolas que metem agua e são frias de inverno, isso é que seria grande ajuda. Profissionais das TIC com habilitações existem aos montes, só não têm é empregos com ordenados decentes e ainda querem formar mais para irem para a miseria

Anónimo 30.01.2017

Quando o PS está no poder só vê este tema.
Se as pessoas imaginassem os gastos nestas tretas.
Não se lembram das cidades digitais.
Dos magalhães.
De um instituto.
Etc...etc...etc..
O Povo que aprenda se quiser, senão continua a ser ........

Ó Costa geringonça 30.01.2017

Utilizas Portugal como prancha,vê lá se .... de tanto " surfares" ainda despedaças Portugal na próxima onda... vulgarmente designada por 4 bancarrota .

Anónimo 30.01.2017

Podemos fazer muitas coisas boas mas enquanto os g.g econômicos tiveram as regalias que têm, Portugal dificilmente saíra do Buraco.
Em percentagem quanto é que os seguintes grupos têm nas suas lojas Mad In Portugal?
Decathlon, Staples Leroy Marlin, Media Market. LDL, Sonae, Pingo Sort Zone, Etc e no final pagam os impostos onde?
Até nos comem vivos.

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub