Empresas Costa quer chegar ao final do ano com 450 milhões de incentivos às empresas

Costa quer chegar ao final do ano com 450 milhões de incentivos às empresas

O primeiro-ministro disse esta sexta-feira, em Arcos de Valdevez, que o Governo pretende chegar ao final do ano com 450 milhões de euros de incentivos às empresas para "alavancar" a economia nacional.
Costa quer chegar ao final do ano com 450 milhões de incentivos às empresas
Bruno Simão/Negócios
Lusa 04 de Março de 2016 às 20:54

"Até ao final do ano, temos que colocar nas empresas 450 milhões euros de forma a alavancar um conjunto de projectos de investimento que são essenciais à modernização da nossa economia", afirmou esta sexta-feira o chefe de Governo durante uma visita à Eurocast, do grupo GMD, uma multinacional francesa do sector automóvel, apoiada por fundos comunitários no âmbito do Plano 100.

 

António Costa, que falava a propósito do balanço do Plano 100, que integra um conjunto de medidas de agilização do acesso aos fundos europeus estruturais, sublinhou ter sido cumprido o objectivo de injectar 100 milhões de euros na economia nos primeiros 100 dias de governação. "Cumprimos um objectivo, ultrapassámos até um pouco o objectivo e, por isso, podemos agora fixar um novo objectivo", sublinhou.

 

Aquele plano, lançado no âmbito do programa Portugal 2020, tem como objectivo de facilitar e potenciar o investimento das empresas.

 

Antes de António Costa, o ministro do Planeamento e das Infra-estruturas, Pedro Marques sublinhou que a meta "ambiciosa" dos 450 milhões de euros de apoios às empresas que "permitirá continuar a afastar a linha de pagamentos do que era o ritmo de pagamento do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional) ". 

 

Pedro Marques adiantou que aquela meta representa um "aumento de, praticamente, 50% da intensidade de apoios às empresas no período comparável do QREN".

 

O governante apontou a multinacional francesa do sector automóvel, um investimento de 25 milhões de euros como "o maior projecto apoiado no âmbito do Plano 100". "Está em laboração, criou emprego, emprego intenso em tecnologia. É um bom exemplo de que podemos fazer mais e de que é possível mobilizar a administração, que os investidores acreditam e o país está a recuperar a confiança no investimento", afirmou o ministro.

 

Anteriormente, à Lusa, e em vésperas de o executivo cumprir 100 dias de governação, Pedro Marques afirmou que, no âmbito do Plano 100, foram pagos 114 milhões de euros de incentivos às empresas, "já um pouco acima da meta estabelecida".

 

"Lançámos um objectivo logo no dia da discussão do programa do Governo", que foi o de "fazer pagamentos às empresas dos incentivos disponíveis, dos fundos europeus disponíveis, para incentivar o investimento das empresas até 100 milhões de euros nos primeiros 100 dias" do Executivo.

 

"Foi possível atingir essa meta. Agora que estamos a terminar os 100 dias, posso dizer que atingimos o valor de 114 milhões de euros, já um pouco acima da meta estabelecida", salientou o ministro. "Multiplicámos por mais de seis vezes o número de projectos contratados e, portanto, as empresas a partir do momento em que têm o contrato de investimento, o contrato de apoio por parte do Estado têm segurança para avançar com o seu investimento", acrescentou.

 

Estes incentivos envolvem 2.134 empresas, vão gerar 3.805 empregos directos e 2.219 milhões de euros em exportações.

 

Em Dezembro, o Governo anunciou o objectivo de injectar 100 milhões de euros na economia nos primeiros 100 dias de governação, através de medidas que facilitem o acesso aos fundos estruturais e ao investimento, incluídas no Plano 100.

 

O Plano 100 integra um conjunto de medidas de agilização do acesso aos fundos europeus estruturais, no âmbito do programa Portugal 2020, com o objectivo de facilitar e potenciar o investimento das empresas.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub