Comércio Costa quer China a investir na indústria e nos portos

Costa quer China a investir na indústria e nos portos

De acordo com António Costa, até agora, os investimentos chineses têm sido dirigidos para aquisição de activos já existentes - uma alusão indireta às compras da EDP, da REN ou no sector imobiliário.
Costa quer China a investir na indústria e nos portos
Bruno Simão/Negócios
Lusa 08 de Outubro de 2016 às 14:31
O primeiro-ministro afirmou este sábado, 8 de Outubro, que um dos objectivos da sua visita oficial à China é direccionar os investimentos chineses que visaram a aquisição de activos no país para novas áreas da indústria e dos portos em Portugal.

Esta posição foi assumida por António Costa em declarações aos jornalistas, no primeiro dos seus quatro dias de visita oficial à China, após ter estado reunido com o Presidente da República chinês, Xi Jinping.

"Para além dos investimentos que têm sido feitos [em Portugal], queremos sensibilizar os dirigentes chineses para o facto de existirem novas áreas de cooperação que podem desenvolver-se, em particular no campo industrial", declarou o primeiro-ministro.

De acordo com António Costa, até agora, os investimentos chineses têm sido dirigidos para aquisição de activos já existentes - uma alusão indirecta às compras da EDP, da REN ou no sector imobiliário.

"A partir desta visita, gostaríamos de abrir portas para que haja novos investimentos que não sejam de aquisição de activos, mas que sejam de estabelecimento de parcerias com empresas portuguesas, em particular no sector industrial. Portugal tem hoje grande capacidade de cooperação em áreas como a indústria automóvel ou as energias renováveis", especificou o primeiro-ministro.

Segundo António Costa, o nível de relações políticas entre Portugal e a China "mantém-se muito bom" e os dois países "manifestam uma clara vontade de assim prosseguirem".

Além dos setores tradicionais económicos onde a China tem entrado no mercado português, designadamente nas áreas financeira e na energia, o primeiro-ministro defendeu que "há novas perspectivas no sector dos portos, sobretudo com o grande projecto chinês de rota marítima".

"Uma Infraestrutura como o nosso porto de Sines pode ter um papel essencial a desempenhar. Há ainda uma vontade da China em estabelecer uma grande interconexão internacional na área da energia - e, na sequência do acordo entre Portugal e o Reino de Marrocos, estamos por isso perante uma nova área interessante", apontou ainda o líder do executivo português.

Já em relação a exportações nacionais, o primeiro-ministro referiu que está colocada em cima da mesa a hipótese de o mercado chinês abrir mais as suas portas no sector agrícola, sobretudo a produtos como o porco, a fruta e o leite".

Também o turismo, na sequência de uma ligação área directa entre Lisboa e uma cidade chinesa, pode ganhar um novo impulso, referiu o chefe do Governo português.

Perante os jornalistas, António Costa mostrou-se ainda confiante na hipótese de se assistir a curto prazo a um reforço da cooperação cultural entre os dois países.

"Vão ser assinados dois importantes acordos: Um sobre a instalação de centros culturais e outro sobre o tratamento de arquivos. Verifica-se também na China um interessante crescente pela língua portuguesa - uma língua global que hoje serve 250 milhões de pessoas em todo o mundo e que brevemente serão 360 milhões", acrescentou.



A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.


comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Na grécia a esquerda governamental privatizou os Portos

Anónimo Há 3 semanas

Este quando era o anterior governo , dizia que o governo estava a vender os País aos chineses , e agora vão lhes lamber o »cujo» para vender-lhes até a alma.Pouca vergonha a desta giringonça , e o BE e PCP que tambêm criticavam aos berros na A.R. hoje estão caladinhos .

Sousabaptista Baptista Há 3 semanas

Vira-te prós Índios, talvez te safes melhor !!!

António Costa Há 3 semanas

Nao era este individuo que criticava o excesso de protagonismo dos chineses no tempo de Passos Coelho?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub