Banca & Finanças Costa: Salários na CGD "podem ser muito impopulares, mas não arrisco a má gestão"

Costa: Salários na CGD "podem ser muito impopulares, mas não arrisco a má gestão"

O primeiro-ministro reconheceu que "pode ser muito impopular o vencimento" dos gestores da Caixa, mas afirmou que não arrisca a má gestão na CGD "porque a estabilidade e o fortalecimento da CGD deu muito trabalho a conseguir".
Costa: Salários na CGD "podem ser muito impopulares, mas não arrisco a má gestão"
Miguel Baltazar/Negócios
Bruno Simões 20 de Outubro de 2016 às 00:18

O primeiro-ministro admitiu, esta noite, que o nível dos salários da nova administração da Caixa Geral de Depósitos pode ser "muito impopular", mas defende que só assim é possível o banco público ter uma gestão "capaz, competente e profissional".

 

Depois das críticas do Presidente da República aos salários dos novos administradores da Caixa Geral de Depósitos, António Costa veio dizer, esta noite, que só é possível ter uma Caixa Geral de Depósitos "profissionalmente gerida, com capacidade técnica e independência" se se oferecer "aos gestores da CGD as mesmas condições que têm os gestores dos outros bancos". Se não, "estamos a ter um banco nosso a concorrer no mercado em condições inferiores às dos outros bancos".

 

Costa abordou o polémico tema durante uma sessão de esclarecimento sobre o Orçamento do Estado para 2017, que decorreu esta noite no teatro São Luiz, em Lisboa. O primeiro-ministro respondia à pergunta de uma idosa, que estava na plateia, e que qualificou de "uma vergonha" o salário de 423 mil euros anuais do presidente da CGD, António Domingues. "Não sei como é possível uma pessoa ganhar este dinheiro", acrescentou a idosa. Quando ouviu o termo "uma vergonha", Costa esbugalhou os olhos, surpreso com o termo.

 

Na resposta, António Costa realçou que a CGD "concorre no mercado com todos os outros bancos, e tem de trabalhar num mercado em que trabalham os outros bancos". Por isso, "não é possível que a CGD tenha o ordenado alinhado pelo vencimento do primeiro-ministro e não pelo quadro normal da banca".

 

"Com toda a franqueza, pode ser muito impopular o vencimento [dos gestores da Caixa], mas não arrisco a má gestão na CGD, porque a estabilidade e o fortalecimento da CGD deu muito trabalho a conseguir", defendeu. "O que eu quero é uma gestão capaz, competente e profissional na CGD".




A sua opinião87
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG Há 2 semanas

Raciocínio e argumentação patético e até boçal, os de António Costa!

Nunca dei grande coisa por este tipo em termos intelectuais e em matéria de consistência cívica, é apenas um tipo mediano com alguma habilidade retórica, mas nada de especial, e sentido de oportunismo.

Mas, à medida que a coisa aperta é que os indivíduos se revelam. Costa desce na fasquia cívica e intelectual ao tentar defender o indefensável roçando a argumentação boçal e patética.

Quanto é que Costa ganha como chefe do Governo de Portugal? 5 ou 6 mil euros mensais? Mas deve haver chefes de governo pelo mundo fora a ganhar muito mais. O salário do chefe do Governo de Portugal, pelo raciocínio do Costa, não deve ser comparado com o salário de outros chefes de governo? Então deve ser por isso que a sua gestão é medíocre, preguiçosa, negligente e incompetente na defesa dos legítimos interesses dos portugueses. Já se está a ver porque é que a gestão do “banco central americano” é um desastre: a sua presidente ganha por ano 177 mil euros. Idem para Mário Draghi do BCE: só 300 e tal mil euros? Com essa minharia o homem nem tem dinheiro para pizas.

Não é preciso procurar mais: o Oliveira e Costa, o Salgado, o Teixeira Pinto, o Vara, o Ferreira, o Tomás Correia, o Matos, o Horácio Roque, etc. deram cabo do BPN, do BES, do BCP, da CGD, do banco Montepio, do BANIF porque tinham remunerações abaixo da mérdia e da merdiana do mercado. Por esse facto, todos esses tipos foram amadores. Não foram os profissionais que o Costa vê num grupo de fulanos chefiados por um tipo que até agora o que mostrou de mais saliente foi o seu sentido oportunista. Um tipo com menos de 60 anos de idade que muda para um novo emprego a ganhar 40 mil euros ou mais e que pede a passagem à reforma no emprego antigo, para mim é um oportunista que não devia ser tolerado numa sociedade esclarecida e íntegra.

Sejamos claros: António Costa achincalha os portugueses, consciente ou inconscientemente.

Eu ainda há pouco vi o Costa na TV a expor a sua matéria viscosa intelectual e sinto-me profundamente achincalhado. Olho para o tipo, escuto as suas divagações intelectuais e vejo algo asqueroso. E sinto também nojo e pena por uma plateia de palermas que bateram palmas às baboseiras bolsadas por Costa.

Não há neste país quem possa corrigir os desmandos de A Costa? As intervenções do PR, da Catarina, do Jerónimo, etc., apenas fazem parte do circo para manter clientelas próprias e são inconsequentes?

Como já aqui referi várias vezes, é preciso aprofundar o CONCEITO DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DANOSA e estabelecer as devidas e proporcionais medidas punitivas e dissuasoras. E devem aplicar-se a toda a gente e indivíduo que exerça qualquer função de gestão, numa empresa ou na administração pública incluindo como membro do Governo.

Pagar o que se anuncia aos administradores da CGD é um acto de gestão danosa, pois a disparidade remuneratória excessiva entre esses tipos e os restantes trabalhadores é um factor de corrosão do ambiente numa organização ou empresa, gera desmotivação nas pessoas e conflitualidade interna implicando perdas de eficiência organizacional. Ou então para calar os de baixo entra-se numa espiral de aumentos salariais que porão em causa a rentabilidade do negócio e a remuneração do acionista.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Tendo esse conceito como certo, então devia demitir-se.

SALAZAR Há 2 semanas

E POR MUITO BONS QUE FOSSEM OS GESTORES, QUE NÃO É O CASO, SÓ TINHAM QUE TER NO MÁXIMO O ORDENADO DO PR. QUEM NÃO ACEITA QUE SE VÁ EMBORA. MUITOS MELHORES ACEITARIAM. MAS É O BLOCO DE INTERESSES A CONTINUARA A ROUBAR: COSTA, MARCELO, BELEZA, GANG DO ULRICH, ETC..

SALAZAR Há 2 semanas

SÓ FALSIDADE E DEMAGOGIA. O PALHAÇO QUE É CEO DA CGD AGORA ESTEVE DÉCADAS NO BPI. UM BANCO QUE TAMBÉM TEVE QUE SER INTERVENCIONADO PELO ESTADO E QUE CONSEGUIU PERDER A SUA INDEPENDÊNCIA PARA OS ESPANHÓIS E O NEGÓCIO DE ANGOLA. BOA GESTÃO? DEVE SER PARA RIR.

Anónimo Há 2 semanas

Não que tenha muito, mas vou deixar exactamente 423 euros na minha conta da CGD durante algum tempo. O resto, vai para outro banco (privado)... já que ali não mando nada, protesto onde posso.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub