Transportes CP e operadores fluviais assinam acordo para reforço na linha do Douro

CP e operadores fluviais assinam acordo para reforço na linha do Douro

O protocolo aparece depois de meses de queixas das empresas de cruzeiros, que se queixaram no Verão do “mau serviço” da ferroviária.
CP e operadores fluviais assinam acordo para reforço na linha do Douro
Paulo Duarte
Alexandra Noronha 12 de Janeiro de 2017 às 16:46

A CP e as empresas de cruzeiro fluviais Barcadouro, Rota do Douro e Tomaz do Douro vão assinar, na próxima segunda-feira, um "protocolo de cooperação que visa o reforço do transporte de passageiros na Linha do Douro e da atractividade da marca turística Douro", segundo uma nota da transportadora ferroviária.


A cerimónia, que conta com a presença do ministro Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, tem como objectivo dar resposta às queixas que os operadores fizeram no Verão quanto ao serviço que a CP presta na icónica linha, cada vez mais um ponto de atracção no Douro, que é tão explorado pelas empresas de cruzeiros.


As sociedades de cruzeiros acusaram a CP de ser responsável por cancelamentos e queixas dos turistas e deixaram mesmo de incluir o comboio na sua oferta, passando a articular os seus passeios com os transportes rodoviários. "Apesar das nossas sistemáticas tentativas junto da CP para que preste um serviço digno de transporte ferroviário aos nossos clientes, aquela empresa continua a manter-se indisponível e incapaz de nos prestar um serviço minimamente aceitável, mantendo a instabilidade na linha do Douro e canalizando o material circulante para outras linhas, unilateralmente", referiu a Barcadouro, no dia 19 de Agosto.


As três empresas tinham enviado um comunicado às redacções, nos dias anteriores, a dar conta de "ligações suprimidas em cima da hora", de "sobrelotação das carruagens", de "faltas de manutenção e avarias recorrentes do material circulante, falhas nos sistemas de ar condicionado, carruagens grafitadas (vidros incluídos) e o recurso reiterado a autocarros que fazem por via terrestre o percurso que milhares de turistas antecipadamente escolheram fazer por ferrovia".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub