Turismo & Lazer CP vende duas carruagens históricas para viagens turísticas em Espanha

CP vende duas carruagens históricas para viagens turísticas em Espanha

A CP - Comboios de Portugal vendeu duas antigas carruagens, conhecidas como napolitanas, que se encontravam fora de serviço comercial desde 2001, para viagens turísticas em Espanha, disse à Lusa fonte oficial da empresa.
CP vende duas carruagens históricas para viagens turísticas em Espanha
Lusa 17 de abril de 2017 às 09:42
De acordo com fonte oficial da empresa, o comprador é uma entidade privada que tem como objectivo a reabilitação e utilização para fins turísticos, em Espanha, recusando dar o valor do negócio, alegando confidencialidade.

As carruagens napolitanas, produzidas em Nápoles, Itália, entraram ao serviço da CP na década de 30 do século XX, nas linhas de Porto - Póvoa de Varzim e, posteriormente, no Tua.

Após cerca de 70 anos de serviço, foram retiradas do serviço comercial em 2001 e, desde essa data, têm estado estacionadas na Estação do Tua.

O material circulante da CP que está retirado do serviço comercial e para o qual não existem já oportunidades de utilização, é alvo de uma avaliação do seu potencial interesse histórico e museológico, para garantir a preservação da história dos comboios em Portugal, nomeadamente do ponto de vista do espólio existente na Fundação do Museu Nacional Ferroviário, de acordo com a empresa pública.

Caso contrário, a empresa liderada por Manuel Queiró procura então encontrar potenciais interessados na sua aquisição para reabilitação e futura utilização.

Neste caso, como já se encontram salvaguardados para memória futura exemplares de primeira classe, de segunda classe e mistas, foi possível encontrar esta solução que permite travar a degradação que se vinha arrastando já há alguns anos, e "assegurar a preservação por uma entidade privada que vai investir na sua reabilitação e utilização para fins turísticos", segundo a empresa.

Uma das carruagens vendida é de segunda classe e outra é mista (de primeira e segunda classe).



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado zelagar 17.04.2017

Lá vai para fora, mais um pedaço da nossa história. Temos linha abandonadas, na Beira e no Douro cuja exploração turística, daria trabalho a muita gente e um bom retorno do capital investido.
Mas não há quem queira investir. Nos off shores o retorno é mais rápido e livre de impostos...
Quando vejo estas notícias, fico profundamente triste. Um País sem história, deixa de o ser.

comentários mais recentes
eas 17.04.2017

Isto são estórias ... que dão cabo da nossa História! Quase toda(?) a nossa "história" é gerida por administradores de centenas de milhares de € por ano, e não por administradores de ideias, de projectos de valorização, de preservação e divulgação! Pois. "...solução que permite travar a degradação que se vinha arrastando já há alguns anos". Coliseu de Roma ... onde estarias se fosses português?!

Conselheiro de Trump 17.04.2017

Dar vida ao que esta morto,e obra,so que o custo secalhar nao tapa uma toca dum dente.Ficara por certo o dente por melhores dias.

zelagar 17.04.2017

Lá vai para fora, mais um pedaço da nossa história. Temos linha abandonadas, na Beira e no Douro cuja exploração turística, daria trabalho a muita gente e um bom retorno do capital investido.
Mas não há quem queira investir. Nos off shores o retorno é mais rápido e livre de impostos...
Quando vejo estas notícias, fico profundamente triste. Um País sem história, deixa de o ser.

pub