Bolsa Credit Suisse dispara mais de 8% após anúncio de corte de custos

Credit Suisse dispara mais de 8% após anúncio de corte de custos

O Credit Suisse anunciou um corte de custos de quase mil milhões de euros, depois de ter registado uma quebra nos negócios de gestão de activos e banca de investimento. As acções dispararam mais de 8%.
Credit Suisse dispara mais de 8% após anúncio de corte de custos
Reuters
Sara Antunes 07 de Dezembro de 2016 às 11:15

O Credit Suisse reviu em baixa as suas previsões de resultados antes de impostos para 2018 da unidade de gestão de fortunas e da divisão da Ásia para 1,8 mil milhões de francos suíços (1,66 mil milhões de euros) e 1,6 mil milhões de francos, respectivamente, revelou esta quarta-feira o banco liderado por Tidjane Thiam, citado pela Bloomberg. Em ambos os casos, a previsão anterior era de 2,1 mil milhões de francos.

 

Depois de rever as previsões para estas unidades, o banco alterou o seu plano de custos, tendo cortado em mil milhões de francos suíços o objectivo de custos, para um total de 17 mil milhões de francos.

 

"Devido às condições de mercado que estamos a enfrentar, a concretização do nosso plano de resultados está agora mais apoiado na redução de custos, sobre os quais temos mais controlo do que sobre o crescimento de receitas", salienta o banco em comunicado. "Isto também nos deixa com um crescimento potencial, caso as condições de mercado melhorem", explicou o banco, citado pela Bloomberg.

 

As acções estão a reagir em forte alta, avançando 8,67% para 15,55 francos.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub