Empresas Crédito malparado das empresas mais do que duplicou em cinco anos

Crédito malparado das empresas mais do que duplicou em cinco anos

O rácio de crédito malparado concedido às sociedades não financeiras passou de 7,2% em 2011 para 16,7% no primeiro semestre deste ano, período em que caiu a concessão de crédito, segundo o Banco de Portugal (BdP).  
Crédito malparado das empresas mais do que duplicou em cinco anos
Lusa 24 de Novembro de 2016 às 14:43

Com base na informação da Central de Responsabilidades de Crédito, o Estudo da Central de Balanços, divulgado pelo BdP, mostra uma degradação da qualidade do crédito, ao apresentar que "o rácio de crédito vencido situava-se em 16,7% no final do primeiro semestre de 2016", quando "em 2011 ascendia a 7,2%".

 

A par desta degradação evidencia ainda uma redução do crédito concedido às empresas não financeiras pelo sistema financeiro residente, sendo que no final do primeiro semestre de 2016 representava 75,4% do valor observado no final de 2011.

 

O rácio de crédito malparado aumentou em todos os sectores de actividade económica e classes de dimensão no mesmo período, à excepção da "electricidade e água", detalha o regulador bancário.

 

O supervisor adianta ainda que em 2015, 32% do activo era financiado por capitais próprios, tendo a autonomia financeira aumentado 2 pontos percentuais face a 2011, diminuindo apenas nas grandes empresas e nos "outros serviços".

 

Já 29% das empresas estavam particularmente dependentes do financiamento por capitais alheios, ao registarem capitais próprios negativos.

 

Em 2015, a dívida remunerada e os créditos comerciais eram as principais fontes de financiamento alheio, representando cerca de 74% do passivo total das empresas, indica o regulador.

 

O BdP analisa também a estrutura e dinâmica da situação em 2015, ano em que existiam 408 mil empresas, das quais 89% microempresas e em que 41% do volume de negócios provinha das grandes empresas (0,3% do total).

 

Enquanto o peso das microempresas no total das empresas aumentou 1 ponto percentual face a 2011, o peso das PME (pequenas e Médias Empresas) caiu 1 ponto percentual, atendendo ao número de empresas e de pessoas ao serviço.

 

Por outro lado, a parcela do número de pessoas ao serviço das grandes empresas aumentou dois pontos percentuais.

 

Em 2015, os sectores de actividade económica mais relevantes, atendendo ao número de empresas, eram os "outros serviços" (48%) e o "comércio" (26%).

 

Já no que diz respeito ao volume de negócios, assumiam maior importância o "comércio" e a "indústria" (38 e 26%, respectivamente), enquanto se destaca a redução do peso da "construção" no número de empresas (-2 pontos percentuais), no volume de negócios (-3 pontos percentuais) e no número de pessoas ao serviço (-3 pontos percentuais) face a 2011.

 

Em 2015, 6% das empresas integravam o sector exportador.

 

À semelhança de 2014, o volume de negócios das empresas aumentou cerca de 2 por cento em 2015. A evolução deste indicador foi mais positiva nas PME e nas microempresas (5 e 2%, respectivamente) do que nas grandes empresas (0,4%), diz o BdP.

 

Por sectores de actividade económica, destaca-se o aumento do volume de negócios da "agricultura e pescas" (9%) e apenas a "construção" registou um decréscimo do volume de negócios (0,4%).

 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pertinaz Há 2 semanas

SR. COSTA (DESCENDENTE DE INDIANOS)

SOMOS UM POVO TOLERANTE E DE BRANDOS COSTUMES...

... MAS NÃO ACEITAMOS SER GOVERNADOS POR UM DITADOR...

... DEFENSOR DE UMA SOCIEDADE DE CASTAS...

... EM QUE UNS SÃO FILHOS E OUTROS ENTEADOS...

JÁ CHEGA DE CANALHICE !!!

Camponio da beira Há 2 semanas

Os caloteiros profissionais (tal como os violadores, assaltantes) descobriram que os tribunais não funcionam....Bom quer dizer para empregar gente com fartura funciona.

Anónimo Há 2 semanas

Até 2011, o mal parado era analisado, assim, assim e talvez segundo, segundo as "engenharias" que vigoravam nas instituições financeiras. Como a partir daí, passou a haver mais rigor, o mal parado precipitou-se para mais do dobro e, oxalá fique por aí!!!






pub
pub
pub
pub