Crédito Crédito automóvel em máximos de cinco meses

Crédito automóvel em máximos de cinco meses

As instituições financeiras concederam mais crédito ao consumo em Agosto. O financiamento para a compra de carro subiu para máximos de Março deste ano.
Crédito automóvel em máximos de cinco meses
Bruno Simão
Patrícia Abreu 17 de Outubro de 2016 às 15:22

O novo crédito para comprar carro aumentou, em Agosto, para o valor mais elevado em cinco meses. As novas operações de financiamento para esta modalidade superou os 196 milhões de euros, mais 7,7% que um mês antes, segundo dados do Banco de Portugal. Em termos gerais, o crédito ao consumo manteve o ritmo de crescimento, com o montante concedido pelas instituições financeiras a superar os 197 milhões de euros.


As instituições financeiras concederam 196,97 milhões de euros em novo crédito para a compra de carro em Agosto. Trata-se do montante mais elevado desde Março, altura em que o crédito automóvel, nas suas várias especialidades superou os 201 milhões de euros, segundo os dados do Banco de Portugal.


O crédito automóvel na modalidade com reserva de propriedade e outros para carros usados, aquela que habitualmente recolhe o maior valor deste tipo de crédito atingiu 116,7 milhões de euros, enquanto a modalidade com reserva de propriedade e outros para carros novos atingiu 46,6 milhões de euros. Já na locação financeira ou ALD para a compra de carros novos foram financiados 27,6 milhões de euros.


A concessão de financiamento para a compra de carro continua a representar uma das maiores fatias das novas operações de crédito ao consumo, captando mais de 40% deste tipo de empréstimos.


O crédito pessoal atingiu 206,7 milhões de euros, em Agosto, mais 13% que o valor captado em Julho. Ainda assim o maior crescimento foi registado pela concessão de crédito associado a cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto. Foram concedidos 8,4 milhões de euros para estas finalidades, mais 14,5% que um mês antes.


O crédito ao consumo atingiu, assim, 487,7 milhões de euros em Agosto o que implica um crescimento de 11% face a Julho. É o valor mais elevado desde Maio.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

comentários mais recentes
Butterfly Há 1 semana

In a regular loan, your finances become not tied down for months or years.As now with the specific faxless payday loan products borrower may just not face the illness of unLsnmelinets.-eider should certainly demand only that their cash must be repaid across time.short term loans

João Neves Há 3 semanas

Depois quando os bancos falirem por causa do crédito mal-parado não venham queixar-se que precisamos de um novo resgate! Eu não tenho de pagar nos meu impostos os desvairos de irresponsáveis!

Bela Há 3 semanas

A malta de direita e formada por ladroes, oportunistas, chicos espertos e anti patriotas

Anónimo Há 3 semanas



Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.
São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.
Por isso devem ter os maiores cortes.

Ex: Muitas pessoas reformaram-se/aposentaram-se com 36 anos de descontos e 54 de idade.
Ou seja, muitas dessas pessoas vão estar mais anos a receber a pensão, do que os anos que trabalharam e descontaram.
Basta que vivam até depois dos 90 anos, o que se verifica com cada vez mais pessoas.

Pergunta: Estas pessoas fizeram descontos suficientes para terem a pensão que recebem?

Resposta: Não, nem para metade.

ver mais comentários
pub