Telecomunicações Credores da Oi criticam rejeição de plano alternativo para a recuperação judicial da empresa

Credores da Oi criticam rejeição de plano alternativo para a recuperação judicial da empresa

Os principais credores internacionais da operadora brasileira Oi criticaram a rejeição de um plano alternativo de recuperação judicial para a empresa, apresentado por estes na semana passada.
Credores da Oi criticam rejeição de plano alternativo para a recuperação judicial da empresa
Reuters
Negócios com Lusa 06 de novembro de 2017 às 22:19

"Infelizmente, não obstante o facto de o 'term sheet' [termo em inglês que define uma carta de intenções] revisto dos credores ter sido desenvolvido especificamente para reflectir os comentários recebidos da alta administração do Grupo Oi, a maioria do conselho de administração da companhia rejeitou-o sumariamente durante as negociações", disseram os principais credores internacionais da Oi num comunicado distribuído esta segunda-feira à imprensa.

 

Liderado pelo Comité Internacional de Detentores de Bónus [Obrigações - (IBC, na sigla em inglês)], o grupo Ad Hoc (AHC) e a FTI Consulting, estes credores da Oi acrescentaram que a negativa mostrou "mais uma vez que [os membros do Conselho da Oi] são impulsionados pelo objectivo de aumentar os interesses dos accionistas existentes, em detrimento dos melhores interesses das outras partes".

 

Os credores também afirmaram que a nomeação de dois novos membros para o Conselho de Administração da operadora brasileira, efectivada durante uma reunião na última sexta-feira, foi "uma violação ultrajante dos padrões de governança corporativa".

 

"É óbvio que tais novos directores foram nomeados para dificultar e contornar os esforços da alta administração do Grupo Oi de negociar planos de reestruturação justos e, em vez disso, atender aos interesses dos accionistas minoritários que exercem o controlo da companhia", acrescentaram.

 

O posicionamento dos credores internacionais da Oi é uma resposta a um outro comunicado divulgado pela empresa hoje de manhã, no qual a operadora brasileira afirma que os acordos de confidencialidade com este grupo de credores foram extintos sem que houvesse concordância sobre o plano de recuperação judicial.

Na passada sexta-feira, o conselho de administração da Oi aprovou"por maioria, com 3 votos contrários", o plano de recuperação judicial, revelou um comunicado emitido para o regulador do mercado de capitais brasileiro este sábado. As condições do plano de recuperação serão assim oferecidas a todos os detentores de obrigações da Oi.

Foi também aprovado que, depois de estabelecidos os termos finais do plano de recuperação judicial, que terão de ser aceites pelo tribunal, "a companhia faça um esforço de busca de adesão ao referido PSA [plano de recuperação] junto aos credores", acrescenta o mesmo comunicado.

 

A Oi, na qual a portuguesa Pharol é accionista de referência, com 27% das ações, esteve num processo de fusão com a Portugal Telecom, que nunca se concretizou.

 

A empresa entrou com um pedido de recuperação judicial em Junho do ano passado, por não conseguir negociar as dívidas, que na época somavam 65 mil milhões de reais (17,3 mil milhões de euros).





A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Um Obrigacionaista empresta dinheiro a empresa pelo qual deverá ser PAGO. É assim que funciona num mundo sério, pedes e pagas com honra assim se ve o caracter e os valores de um Homem. Claro que estes palhaços que andam por ai armados em comentadores de domingo a noite nao são da mesma opiniao.

Anónimo Há 1 semana

Acho que o Burro é você ,um acionista assume os riscos e contribua a empresa de investir e empregar e com esse trabalho ter resultados ,o obricionista opportuniste que compra a divida pour 15%e quer 88% esse ser enreqisser e pouco tempo são esses fundos que quebram o mundo é dão crises (Portugal )

Anti-burros Há 1 semana

E se a empresa for liquidada os accionistas ficam com 0%, pois são os últimos da hierarquia de credores, obviamente nada sobraria para eles. Portanto os accionistas que continuem a ter mais olhos que barriga, a exigir muito mais do que merecem à luz da lei, e ainda choram...

Gamar Há 1 semana

Nada de novo...os credores acham que ficam com 88% de uma empresa que gera mais de 6 mil milhões de euros em receitas por ano...saneada de dívida e fresquinha para consolidação...pode ser que o pai Natal seja generoso...até lá a k chorar

pub