Energia Cresap aprova Filipe Meirinho na entidade supervisora de combustíveis

Cresap aprova Filipe Meirinho na entidade supervisora de combustíveis

Filipe Meirinho sucedeu a Paulo Carmona na Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC).
Cresap aprova Filipe Meirinho na entidade supervisora de combustíveis
Reuters
André Cabrita-Mendes 30 de janeiro de 2017 às 15:35
A Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (Cresap) aprovou o novo líder da entidade supervisora dos combustíveis. Filipe Meirinho foi nomeado para presidente da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis (ENMC) no início de Dezembro.

Sucedeu assim a Paulo Carmona, o primeiro presidente do organismo que foi criado pelo Governo de Passos Coelho em 2013. O Governo pediu a 24 de Novembro para a Cresap se pronunciar sobre a nomeação de Filipe Meirinho, que antes ocupava o cargo de director da unidade de produtos petrolíferos da ENMC.

O parecer não vinculativo da comissão liderada por Margarida Proença foi agora conhecido. "Ainda que não detenha experiência efectiva na direcção de topo, a personalidade indigitada apresenta um percurso profissional muito consistente e ascendente, com experiência significativa em termos de gestão intermédia, para além de conhecer bem a empresa em causa, deter competências em matéria de fiscalização e auditoria, e formação especializada em direito da concorrência e regulação", começa por sublinhar a comissão.

Desta forma, "nos termos referidos, entende a Comissão Técnica Permanente da Cresap emitir o parecer de Adequado, à indigitação para Presidente do Conselho de Administração da Entidade Nacional para o Mercado de Combustíveis ,E.P.E., do Dr. Filipe Rodrigues Meirinho", decreta a Cresap.

Os últimos meses têm sido atribulados na vida da ENMC. Primeiro, o Governo decidiu em Outubro que a regulação do gás de botija ia passar para esfera da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Depois, o Executivo decidiu voltar a reforçar os poderes da ERSE com a regulação do mercado dos combustíveis.

A machadada final chegou a 25 de Novembro quando o Governo aprovou a extinção da ENMC em 2017 após uma proposta apresentada pelo PCP.

Paulo Carmona, então líder da ENMC, ficou surpreendido com a rapidez com que a entidade foi extinta. Na hora da despedida, o gestor alertou que o fim da ENMC poderia fazer com que o Estado assuma a dívida de 360 milhões de euros do empréstimo que a entidade contraiu em 2008. 

ENMC garante que não foi extinta
Entretanto, a ENMC veio a público dar provas de vida e garantir que, afinal, ainda "não foi extinta". E que mantém "todas as competências e atribuições legalmente estabelecidas".

Por isso esclareceu que a fiscalização no sector energético vai ficar concentrada numa única entidade, juntando assim a ENMC, com a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) e a Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG).

Após as alterações legais, a ENMC não deixa de existir por completo. O que vai acontecer é que a entidade vai "assumir novas competências e uma nova designação". Desta forma, a supervisão do mercado de combustíveis vai "continuar a ser assegurada e até reforçada com o novo quadro legal".

Até lá, a ENMC vai "continuar a exercer plenamente as funções que lhe estão atribuídas, e os operadores de mercado estão obrigados a cumprir as exigências legais estabelecidas". A ENMC garante que vai "continuar a fiscalizar a cadeia de valor dos combustíveis".

A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 30.01.2017

Quem é o Senhor, o que fazia e quem o propôs? Nada sabemos sobre o mesmo.

Anónimo 30.01.2017

esta gente é muito útil. Tem-se notado a sua relevância no dia-a-dia sempre que nos deslocamos à bomba de gasolina ou compramos uma botija de gás.

pub
pub
pub
}
pub