Empresas Crescimento da actividade dos serviços trava em Janeiro

Crescimento da actividade dos serviços trava em Janeiro

Depois das subidas de 8% e 7,6% registadas em Novembro e Dezembro, o volume de negócios nos serviços, em Portugal, cresceu apenas 2,5% no primeiro mês do ano.
Crescimento da actividade dos serviços trava em Janeiro
Reuters
Rita Faria 13 de março de 2017 às 11:47

O crescimento do volume de negócios nos serviços abrandou no primeiro mês deste ano, segundo os dados revelados esta segunda-feira, 13 de Março, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

 

O índice que mede o volume de negócios nos serviços cresceu 2,5% em Janeiro, em relação ao mesmo mês do ano anterior, depois das subidas homólogas de 7,6% e 8% registadas nos dois meses anteriores.  

 

"A desaceleração do índice agregado é essencialmente explicada pelo desempenho da secção de comércio por grosso, reparação de veículos automóveis e motociclos, cuja taxa de variação passou de 7,0% em Dezembro para -1,5% em Janeiro", justifica o INE.

Apesar de ter registado uma subida menos expressiva dos que nos meses anteriores, o volume de negócios nos serviços cresceu face a Janeiro de 2015, uma variação positiva que se explica sobretudo com a evolução na área dos transportes e armazenamento, onde a actividade cresceu 8%.

Em termos mensais, o indicador global do volume de negócios nos serviços desceu, em Janeiro, pelo segundo mês consecutivo. Face a Dezembro, a queda foi de 2,1%.

No que respeita ao emprego neste sector de actividade, o crescimento foi de 3,6% em Janeiro – uma taxa idêntica à registada no mês anterior – enquanto as remunerações subiram 4%, uma evolução ligeiramente inferior à de Dezembro.

o índice de volume de trabalho - medido pelo número de horas trabalhadas ajustado dos efeitos de calendário - apresentou um crescimento homólogo de 1,6%. 


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub