Automóvel Crescimento da venda de automóveis em Portugal desacelera em Janeiro

Crescimento da venda de automóveis em Portugal desacelera em Janeiro

Em Janeiro, a venda de automóveis em Portugal subiu 9,5%, confirmando a "desaceleração do mercado" que já estava prevista para o início deste ano, segundo a ACAP.
Crescimento da venda de automóveis em Portugal desacelera em Janeiro
Sara Matos/Negócios
Rita Faria 01 de fevereiro de 2017 às 18:23

Em Janeiro deste ano, foram comercializados em Portugal 18.051 veículos automóveis, o que representa um crescimento de 9,5% face ao mesmo mês de 2016. Os dados foram revelados esta quarta-feira, 1 de Fevereiro, pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP), que destaca que a variação "confirma a prevista tendência de desaceleração do mercado neste início de 2017".

As vendas nas duas grandes categorias – ligeiros e pesados – tiveram, porém, comportamentos muito distintos. Ao passo que a comercialização de veículos ligeiros cresceu 10,2% para 17.601 unidades, a venda de pesados desceu 10,7% para 450 unidades.

Considerando os automóveis ligeiros de passageiros, o mercado registou um crescimento de 7,8% em relação a Janeiro de 2015, tendo sido vendidos 15.029 veículos. A marca mais vendida, a Peugeot, comercializou 1.475 automóveis, uma subida de 11,3% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Nos comerciais ligeiros, as vendas aumentaram 26,3% para 2.572 veículos. A maior subida foi protagonizada pela Hyundai, que comercializou 53 unidades, o que compara com as nove vendidas em Janeiro de 2016.

Na categoria de pesados, as vendas caíram tanto no que respeita aos veículos de passageiros como aos de mercadorias. No primeiro caso, a descida foi de 6% para 78 unidades, enquanto na última as vendas diminuíram 11,6% para 372 unidades. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub