Tecnologias Crescimento das receitas do Twitter trava para 1%. Acções afundam 10,5%

Crescimento das receitas do Twitter trava para 1%. Acções afundam 10,5%

A rede social liderada por Jack Dorsey fechou o último trimestre do ano com receitas de 717 milhões de dólares, um valor abaixo do esperado pelos analistas. Acções afundam.
Crescimento das receitas do Twitter trava para 1%. Acções afundam 10,5%
Bloomberg
Rita Faria 09 de fevereiro de 2017 às 13:06

O Twitter anunciou esta quinta-feira, 9 de Fevereiro, que as suas vendas cresceram apenas 1% no último trimestre do ano passado, uma variação que compara com a subida de 48% registada no mesmo período do ano anterior.

A rede social dos 140 caracteres fechou o último trimestre com receitas de 717 milhões de dólares (cerca de 671,5 milhões de euros), um valor inferior ao esperado pelos analistas consultados pela Bloomberg, que apontavam para 740 milhões de dólares.

As acções reagiram no "pre-market", afundando 10,5% para 16,75 dólares.

No período entre Outubro e Dezembro, o Twitter conquistou dois milhões de novos utilizadores, elevando para 319 milhões o número total de pessoas que se ligam mensalmente a esta rede social.  

Os números revelados esta quinta-feira confirmam as dificuldades que a empresa liderada por Jack Dorsey tem enfrentado para convencer os anunciantes a aumentarem os gastos na plataforma social, à medida que o crescimento do número de utilizadores abranda.  

A pressão sobre a empresa cresceu no quarto trimestre quando os três potenciais compradores da rede social - Disney, Salesforce e Google - desistiram do negócio.

O Twitter cortou a sua força de trabalho em 9% e vendeu o seu serviço de partilha de vídeos Vine, lançado em 2013.

A empresa também perdeu o director de operações e o director de tecnologia, aumentando a carga sobre Dorsey, cujo tempo já é dividido com outra função, a de CEO da Square Inc.


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
investidor1 09.02.2017

https://goo.gl/forms/3f25LE6Qekr0VWo22

Obrigado.

investidor1 09.02.2017

https://goo.gl/forms/3f25LE6Qekr0VWo22

Obrigado.

pub