Banca & Finanças Cristas diz que é incompreensível administradores da Caixa não apresentarem rendimentos

Cristas diz que é incompreensível administradores da Caixa não apresentarem rendimentos

A presidente do CDS-PP defendeu que é incompreensível que um administrador público esteja dispensado de obrigações de transparência e reiterou que os centristas vão apresentar um projecto que garanta a obrigatoriedade de apresentação de declaração de rendimentos.
Cristas diz que é incompreensível administradores da Caixa não apresentarem rendimentos
Miguel Baltazar
Lusa 28 de Outubro de 2016 às 20:16

"Não é compreensível para ninguém que alguém que se dispõe a exercer funções públicas, numa empresa pública, possa estar dispensado das obrigações normais deste tipo de cargos", afirmou Assunção Cristas, reiterando, como o partido já havia anunciado, que o CDS apresentará um projecto.

 

A SIC-Notícias avançou esta sexta-feira, 28 de Outubro, que o presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), António Domingues, não apresentará declaração de rendimentos junto do Tribunal Constitucional, tendo um parecer dos órgãos internos do banco público a sustentar que não está obrigado a entregar essa declaração.

 

Falando após participar numa conferência promovida pela União de Sindicatos Independentes sobre conciliação de vida profissional e familiar, Cristas afirmou que o CDS tenciona que essa iniciativa legislativa seja apresentada "no contexto do Orçamento do Estado, de maneira a que não passe este período, que é de grande debate e em que o parlamento está particularmente vivo na matéria da transparência na prestação de informações".

 

A líder centrista responsabiliza o Governo por ter feito aprovar legislação que teve o "efeito colateral de isentar destas obrigações de transparência e de prestação de informações a administração da Caixa Geral de Depósitos".

 

Assunção Cristas manifestou ainda estar "certa que no parlamento haverá um consenso alargado" para aprovar a iniciativa dos centristas.

 

Também o PSD anunciou hoje que apresentará um projecto de lei para estabelecer critérios de "razoabilidade e adequação" nos salários dos gestores públicos, além de fixar deveres de transparência.

 

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu hoje que a CGD não pode ser gerida por quem não cumpra "deveres de transparência sobre os seus rendimentos", numa alusão à actual polémica no banco.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
MEMORIAL Há 1 semana

A hipocrisia no seu melhor. Quando houve governos do PSD ou PSD/CDS nunca os administradores da CGD entregaram declarações no TC. Porque razão tem agora que entregar ? Isto não é boa maneira de fazer politica. E o resultado é falta de credibilidade. Ataquem o orçamento e deixem o tipo em paz.

Lurdes Há 1 semana

Vergonhoso, mesmo!

pub
pub
pub
pub