Transportes CTT preparam despedimento colectivo na Transporta

CTT preparam despedimento colectivo na Transporta

A Transporta, empresa comprada recentemente pelos CTT , tem em curso um processo de despedimento colectivo de pelo menos 40 pessoas. As rescisões inserem-se “no processo gradual de integração no universo CTT”.
CTT preparam despedimento colectivo na Transporta
Sara Ribeiro 15 de junho de 2017 às 10:12

Os CTT estão a preparar um processo de despedimento colectivo na Transporta, empresa de distribuição de mercadorias que comprou recentemente.

De acordo com alguns trabalhadores da empresa, na quarta-feira, 14 de Junho, várias pessoas das delegações da Maia e de Lisboa começaram a ser chamadas por advogados dos Correios para serem informados da decisão.

"Já vai em mais de 40 pessoas", disse ao Negócios Margarida Silva, que trabalha na delegação de Coimbra há 30 anos. Apesar de neste momento "estar de baixa por acidente de trabalho, também consto na tal lista", lamentou.

Contactada pelo Negócios, fonte oficial da empresa liderada por Francisco de Lacerda confirmou a reestruturação em curso, escusando-se a confirmar o número de rescisões.

"A empresa Transporta está neste momento num processo gradual de integração no universo CTT que passa também pela optimização dos seus recursos humanos, como já estava planeado, através de um processo de gestão que visa a sustentabilidade da empresa e a eficiência produtiva e operacional", explicou fonte oficial dos CTT.

Os Correios concluíram no início de Maio a aquisição da totalidade do capital social da Transporta, que terá cerca de 250 trabalhadores segundo o site da empresa.

A operação, que implicou um investimento de 1,5 milhões de euros, "enquadra-se na estratégia de expansão e diversificação dos CTT, quer através de uma nova oferta de distribuição de objectos acima dos 30 kg, quer através da criação de uma nova plataforma de expansão da empresa na cadeia de valor da logística e carga last-mile", como explicou o presidente dos CTT, num comunicado enviado às redacções na altura.

A compra da Transporta, empresa que opera no transporte rodoviário de mercadorias, incluindo actividade logística, armazenamento e transporte ocasional de mercadorias, tinha sido anunciada pelos Correios no final do ano passado.




A sua opinião55
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 15.06.2017

A empresa Finlandesa de serviços postais Posti, empresa pública daquela jurisdição escandinava que é uma economia rica e avançada com elevado índice de desenvolvimento humano e dotada de uma cultura cívica e democrática do mais alto calibre, despediu entre 2015 e 2016 7600 colaboradores permanentes tidos como excedentários à luz das reais forças de mercado ditadas pelos gostos, hábitos, necessidades, expectativas e preferências dos clientes e a concorrência movida pelos competidores domésticos e globais, a que que o progresso tecnológico nunca é alheio. "Digitalization has already reduced overall delivery volumes to the level of the 1960s. Therefore, we must adapt and reform our operations in order to ensure that Posti will still maintain its financial capability to build new business in order to compensate for mail delivery." https://www.apex-insight.com/posti-sees-job-cuts-in-the-offing/

comentários mais recentes
JL 16.06.2017

De facto a reestruturação muitas vezes é a única forma de sobrevivência de algumas empresas. Mas o que se assiste na maioria das vezes é a uma série de despedimentos cegos, seja para disfarçar os disparates dos gestores ou também para arranjar espaço para os chamados "job for the boys" ...

jj 16.06.2017

De facto saiu a sorte grande ao grupo Barraqueiro ..enfiar um barrete destes aos CTT.... esta empresa ao longo da sua historia foi um mar de prejuizos ......

Anónimo 15.06.2017

A empresa pública de correios sueco-dinamarquesa Postnord decidiu em Março de 2017 despedir 4 mil excedentários cujo posto de trabalho já não se justificava naquela organização do sector público escandinavo. Naquela região nórdica os direitos sindicais adquiridos não se sobrepõem aos dos contribuintes e cidadãos em geral. É 1º Mundo onde não reinam a iniquidade e a insustentabilidade. Despedem excedentários, extinguem postos de trabalho que já não se justificam, adoptam as melhores práticas e tecnologias. A economia é robusta, cria valor e enriquece, a sociedade é justa, equilibrada e feliz. "Postnord to cut up to 4,000 jobs in Denmark" www.reuters.com/article/postnord-jobs-idUSL5N1GL4QG

Anónimo 15.06.2017

A empresa Finlandesa de serviços postais Posti, empresa pública daquela jurisdição escandinava que é uma economia rica e avançada com elevado índice de desenvolvimento humano e dotada de uma cultura cívica e democrática do mais alto calibre, despediu entre 2015 e 2016 7600 colaboradores permanentes tidos como excedentários à luz das reais forças de mercado ditadas pelos gostos, hábitos, necessidades, expectativas e preferências dos clientes e a concorrência movida pelos competidores domésticos e globais, a que o progresso tecnológico nunca é alheio. "Digitalization has already reduced overall delivery volumes to the level of the 1960s. Therefore, we must adapt and reform our operations in order to ensure that Posti will still maintain its financial capability to build new business in order to compensate for mail delivery." https://www.apex-insight.com/posti-sees-job-cuts-in-the-offing/

ver mais comentários
pub