Empresas CTT propuseram rescisão a 75 trabalhadores

CTT propuseram rescisão a 75 trabalhadores

Os CTT propuseram a rescisão contratual por mútuo acordo a 75 trabalhadores que deverão começar a responder na quarta-feira à empresa, anunciou esta terça-feira o Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações.
CTT propuseram rescisão a 75 trabalhadores
Miguel Baltazar
Lusa 15 de Novembro de 2016 às 20:55

José Oliveira, dirigente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), disse à agência Lusa que se trata de "um despedimento encapotado, que os trabalhadores não irão aceitar".

 

"A empresa quer despedir trabalhadores quando faltam trabalhadores em vários setores, mas nós vamos denunciar isto amanhã, numa conferência de imprensa, e vamos pedir reuniões ao Governo, aos grupos parlamentares e ao regulador do setor, a ANACOM, para lhes dizer que está a ser sacrificada a qualidade do serviço prestado pelos CTT", afirmou José Oliveira.

 

Fonte oficial dos CTT disse à Lusa que a empresa iniciou "um processo de otimização de recursos humanos" e confirmou que, nesse âmbito, iniciou "um processo de negociação de rescisões por mútuo acordo com menos de uma centena de colaboradores dos cerca de 12.000 que integram os quadros dos CTT".

 

Segundo a mesma fonte, o processo de negociação abrange maioritariamente trabalhadores dos serviços centrais da empresa e um pequeno número de trabalhadores colocados nos serviços operacionais, mas que não se encontram a executar tarefas operacionais.

 

"O processo de otimização não se aplica, portanto, a nenhum colaborador que esteja presentemente a desempenhar funções operacionais", assegurou a mesma fonte.

 

José Oliveira declarou à Lusa que os trabalhadores convidados a rescindir são sobretudo pessoas com problemas de saúde que os impedem de fazer esforços, como tendinites, mas que podem trabalhar nos centros de distribuição de correspondência ou nas lojas dos CTT, ao abrigo da figura da requalificação, prevista no Acordo de Empresa.

 

O sindicalista afirmou ainda que não tem conhecimento de nenhum trabalhador que pretenda aceitar a rescisão contratual.

 

De acordo com fonte oficial dos CTT, o processo de rescisões, "a concretizar-se com cada um dos colaboradores é por mútuo acordo".




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub