Banca & Finanças CTT reputa de "infundadas" acusações de abuso de posição dominante

CTT reputa de "infundadas" acusações de abuso de posição dominante

A empresa de serviço postal rejeita a nota de ilicitude da Autoridade da Concorrência. Os CTT defendem que sempre deram acesso à sua rede postal "em condições não discriminatórias".
CTT reputa de "infundadas" acusações de abuso de posição dominante
Diogo Cavaleiro 31 de Outubro de 2016 às 17:13
Os CTT vão rejeitar as acusações de abuso de posição dominante feitas pela Autoridade da Concorrência. A resposta está a ser preparada e, aí, constará a consideração de que a empresa "sempre" manifestou disponibilidade aos concorrentes para acederem à sua rede postal em "condições não discriminatórias", ao contrário do que considera a Autoridade da Concorrência.

"Em linha com a sua postura de colaboração e devida resposta no âmbito de quaisquer procedimentos iniciados por entidades de supervisão, os CTT apresentarão no prazo legal a sua resposta a nota de ilicitude recebida pela empresa relativa a processo de contra-ordenação iniciado pela Autoridade da Concorrência, com fundamento em alegado levantamento de obstáculos ao acesso à infra-estrutura da rede postal aos seus concorrentes", indica o relatório e contas dos primeiros nove meses do ano, período em que os lucros caíram 9%.

Ao Negócios, Francisco Lacerda é mais preciso: "Vamos responder durante o mês de Novembro", referindo-se à resposta que a empresa vai dar à nota de ilicitude em que a entidade presidida por António Gomes Ferreira faz acusações aos CTT. 
 
"Os CTT consideram as alegações em causa infundadas, em particular, atendendo à disponibilidade sempre manifestada pela empresa para dar acesso em condições não discriminatórias à sua rede postal em moldes compatíveis com uma gestão operacional eficiente, presente e futura, assegurando a sustentabilidade da prestação do serviço universal à qual está obrigada, bem como às boas práticas concorrenciais que a empresa entende adoptar neste domínio", assinala ainda o relatório e contas. 

O administrador com o pelouro financeiro, André Gorjão Costa, já tinha feito uma consideração idêntica: "Sempre demos acesso à nossa rede. A questão é como e de que forma". 

A nota de ilicitude, onde constam as acusações, foi enviada para os CTT a 22 de Agosto: "A investigação da Autoridade da Concorrência demonstrou que os CTT utilizaram o controlo sobre a única rede de distribuição de correio tradicional com cobertura nacional em Portugal para impedirem a entrada ou a expansão de concorrentes no mercado nacional de prestação de serviços de correio tradicional, um mercado avaliado em pelo menos 400 milhões de euros por ano".



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub