Empresas CTT são alvo de cada vez mais reclamações, diz Anacom

CTT são alvo de cada vez mais reclamações, diz Anacom

O presidente do regulador das comunicações, João Cadete de Matos, nota que as reclamações em torno da qualidade de serviço dos CTT se têm adensado, mas afirma que a Anacom vê solução para a situação da empresa.
CTT são alvo de cada vez mais reclamações, diz Anacom
Ana Batalha Oliveira 06 de junho de 2018 às 16:24

"As reclamações relativamente aos serviços dos CTT agravaram-se ao longo do tempo" afirmou João Cadete de Matos, presidente da Anacom, na audição desta quarta-feira, 6 de Junho, frente aos deputados. O líder do regulador apresentou-se a pedido do PCP, com o objectivo de informar sobre o plano de actividades e a reposição das ligações telefónicas destruídas pelos incêndios, mas as questões dos deputados trouxeram os CTT à discussão.  

"O objectivo é que os CTT ofereçam uma boa qualidade de serviço e que sejam simultaneamente uma empresa economicamente saudável. Estudos que fizemos indicam que isso é possível", assegurou ainda João Cadete de Matos.

De momento, a Anacom tem-se dedicado a fazer uma auditoria que incide sobre os indicadores do negócio. Está não só a avaliar a fiabilidade dos mesmos como também a decidir aqueles que terão de vigorar no futuro. As conclusões do escrutínio feito pelo regulador aos CTT serão apresentadas nas próximas semanas.

Em resposta às críticas do PCP em relação à disponibilização dos serviços de correio em lojas não especializadas, o presidente da Anacom avançou a solução que lhe parece mais ideal: subcontratar as juntas de freguesia, com a "devida remuneração", pois considera estas entidades as mais indicadas para substituir os balcões fechados.




pub