Telecomunicações CTT transferem serviços das 22 lojas a encerrar para 14 postos

CTT transferem serviços das 22 lojas a encerrar para 14 postos

Os estabelecimentos postais serão menos oito no final do processo de reestruturação da rede de distribuição. Os CTT vão encerrar 22 lojas. Mas terão acordo com terceiros para gerirem 14 postos. Os CTT garantem que os serviços serão os mesmos.
CTT transferem serviços das 22 lojas a encerrar para 14 postos
Miguel Baltazar/Negócios
Alexandra Machado 17 de janeiro de 2018 às 17:47

Os CTT pretendem encerrar 22 lojas até final de Março. Agora, em comunicado divulgado esta quarta-feira, os Correios garantem já ter solução para 14 desses locais, falando na abertura de 14 pontos de acesso. O que significa que a redução, no final, será de 8 pontos de atendimento. Ao Negócios, a empresa, liderada por Francisco Lacerda, já tinha dito estar a articular soluções com com as autoridades locais no âmbito dos encerramentos previstos.

"Estes novos 14 pontos de acesso estão já acordados ou em negociação final com autarquias e entidades comerciais locais e irão manter disponíveis ao público a totalidade dos serviços postais, incluindo o pagamento de vales de prestações sociais e o envio e levantamento de encomendas", diz os CTT em comunicado às redacções.

Os pontos de acesso serão geridos por terceiros, como acontece com os 1.700 postos que actualmente existem. A empresa, que nos últimos tempos tem sido alvo de crítica pelo encerramento de lojas e pela qualidade do serviço, garante que irão equipar esses parceiros e formar o seu pessoal. E até elogia os pontos de terceiros, dizendo que "frequentemente, estes novos pontos de acesso apresentam horários de abertura mais prolongados e localizações tão centrais quanto as dos anteriores".

 
Não revela os 14 pontos de acesso, mas fala da conversão de lojas em postos na localidade de Termas de S.Vicente (Penafiel), Arco da Calheta (Madeira) e Lavradio (Barreiro). Os outros "serão dados a conhecer à medida que os passos necessários para a sua abertura estejam concluídos".

 

Os Correios pretendem garantir que nos 22 locais que vai encerrar lojas, os seus serviços mantêm-se disponível até um máximo de 1 quilómetro da actual localização.
 

Pretendendo fechar 22 lojas e tendo já intenção de ter 14 postos em alternativa, a redução de estabelecimentos será, diz a empresa, no máximo de 8 localizações."Mesmo deduzindo estes oito pontos, o total de pontos de acesso em 31 de Dezembro de 2017 seria de 2.362, valor superior em 23 aos existentes em 31 de Dezembro de 2016 (2.339)", conclui a empresa.





A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado CTT 17.01.2018

Este maldito Estado desgovernado pela geringonça quer destruir as empresas portuguesas.
Um Estado que não cumpre nada, os serviços públicos são uma vergonha a todos os níveis, quer desqualificar as empresas privadas exigindo-lhes cada vez mais indicadores de qualidade da treta...
Obrigado pela destruição em massa das empresas portuguesas Sr António Costa. As empresas estrangeiras agradecem...

comentários mais recentes
CTT, assim não vão lá, 17.01.2018

Assim sem fazerem uma verdadeira restruturação, de 12.000 empregados passarem para 8.000 ou menos, continuam em decadência,

CTT, 17.01.2018

Os CTT para darem lucros, e adaptarem-se as novas mudanças tecnológicas, tem que fazer o que muitos Países fizeram , reduzir 3 a 4 mil funcionários empregados, e fechar as lojinhas de bairro ,

Anónimo 17.01.2018

ha gente que nao se enxerga como demonstra a burrice dos comentários como o do ctt .Triste país que tem tal gente..

CTT 17.01.2018

Este maldito Estado desgovernado pela geringonça quer destruir as empresas portuguesas.
Um Estado que não cumpre nada, os serviços públicos são uma vergonha a todos os níveis, quer desqualificar as empresas privadas exigindo-lhes cada vez mais indicadores de qualidade da treta...
Obrigado pela destruição em massa das empresas portuguesas Sr António Costa. As empresas estrangeiras agradecem...

Saber mais e Alertas
pub