Empresas Custo dos incêndios de 15 de Outubro é dez vezes maior que o de Pedrógão

Custo dos incêndios de 15 de Outubro é dez vezes maior que o de Pedrógão

Presidente da Associação Portuguesa de Seguradores já tem as contas e não tem dúvidas: "Isto é sem dúvida o maior sinistro que tivemos em Portugal de sempre, no sector segurador".
A carregar o vídeo ...
Tiago Freire
Tiago Freire 27 de outubro de 2017 às 16:08

As seguradoras já fecharam o primeiro balanço sobre os custos do grande incêndio de 15 de Outubro, e o valor dos prejuízos é quase dez vezes superior ao registado no incêndio de Pedrógão Grande, em Junho. 

"Temos um primeiro apanhado desses incêndios, já temos cerca de dois mil sinistros, ou melhor, dois mil seguros que foram accionados, há dois mil processos que estão a ser tratados. E neste momento o valor de indemnizações estará à volta dos 200 milhões de euros. Estamos a falar de uma magnitude totalmente diferente daquilo que vimos em Pedrógão", afirma José Galamba de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, em entrevista ao programa Conversa Capital, que será publicada na edição de segunda-feira do Negócios.

"Na verdade isto não é apenas um sinistro florestal, muito de Pedrógão era florestal, aqui tivemos fogo urbano, um impacto muito grande em termos industriais, em empresas. Eu diria que destes 200 milhões a maioria tem a ver com negócios, empresas, fábricas com perdas totais. O impacto aqui é brutal", salienta, acrescentando que "são os números apurados até à data a expectativa neste momento é que eles continuem a crescer alguma coisa, se bem que o grosso já estará apurado". 

"Isto é sem dúvida o maior sinistro que tivemos em Portugal de sempre, no sector segurador", explicou, comparando com os custos para as seguradoras do fogo de Pedrógão, que teve custos estimados para as seguradoras de 22 milhões de euros.

A APS divulgou esta tarde um comunicado em que informa que" as seguradoras estão no terreno a recolher as informações necessárias para a gestão dos sinistros e pretendem regularizar os mesmos o mais rapidamente possível para que as pessoas e as empresas que, responsavelmente, seguraram os seus bens e património, possam retomar a normalidade possível nas suas vidas".

As seguradoras decidiram ainda reforçar o Fundo Solidário, que já tinha sido criado aquando do incêndio de Pedrógão Grande. Este fundo, de carácter excepcional, pretende "apoiar solidariamente os familiares das pessoas falecidas e os feridos graves que resultaram destes incêndios, privilegiando as situações em que não existe cobertura de seguros".




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas

Paga tuga nharro? Querias liberdade? Aí a tens!

pertinaz Há 3 semanas

AGRADEÇAM À ESCUMALHA DO DESGOVERNO...!!!

Acabem com este negocio sujo de terrorismo negro. Há 3 semanas

Não ganham nos votos ,mas ganham nos isqueiro,a direi-talha arma-se em inocente,mas o povo é sábio,os incendiários são os mesmo dos assaltos aos bancos e submarinos e offehores.

Pedrogao Grandem, foi o ensaio para Há 3 semanas

o que se seguiu. O que espanta é que a direita, PR e imprensa, em concluiu, tenham branqueado os 126 incendiários detidos (alguns em flagrante) para (tentar) queimar o governo. É isso que os Portugueses nunca perdoarão, o concluiu tácito em prol do renascimento do PSD. Um dia a história os julgará

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub