Banca & Finanças Custo dos empréstimos ao Fundo de Resolução vai ser enviado ao Parlamento

Custo dos empréstimos ao Fundo de Resolução vai ser enviado ao Parlamento

O Fundo de Resolução vai enviar para a UTAO os cálculos que permitem avaliar o custo dos empréstimos do Estado a esta entidade. “O Parlamento vai ter todos os cálculos com minúcia”, garantiu Máximo dos Santos na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças.
Custo dos empréstimos ao Fundo de Resolução vai ser enviado ao Parlamento
Bruno Simão/Negócios
Maria João Gago 11 de maio de 2017 às 19:35

O presidente do Fundo de Resolução, Luís Máximo dos Santos, garante que "o Parlamento vai ter todos os cálculos com minúcia" sobre o valor actual líquido dos custos dos empréstimos do Estado àquela entidade após a renegociação das condições dos financiamentos que adiou para 2046 a data limite de reembolso.

 

"O PCP pediu à UTAO [ Unidade Técnica de Apoio Orçamental, que funciona na Assembleia da República] cálculos sobre a renegociação. Estamos a fazer esses cálculos todos para enviar à UTAO", prometeu o também administrador do Banco de Portugal na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA).

 

Máximo dos Santos respondia ao deputado do PSD António Leitão Amaro que insistiu com o líder do Fundo de Resolução para saber o valor actual dos empréstimos.

 

"As contas não são tão simples quanto isso. O cálculo dos juros não é estático, porque foi fixada uma taxa de juro equivalente à taxa de financiamento da República a cinco anos, com um ‘spread’ de 0,15%". No fim deste prazo, é definida uma nova taxa, pelo que "há um certo dinamismo fixação das taxas" que dificulta a realização dos cálculos, justificou Máximo dos Santos.

 

"O Parlamento vai ter todos os cálculos com minúcia. Estamos a preparar a resposta para os enviar", garantiu o responsável. Além disso, Máximo dos Santos recordou que também "o PS enviou perguntas sobre esta matéria e enviámos ontem [quarta-feira] as respostas para o Parlamento".

 

Máximo dos Santos justificou ainda a renegociação das condições dos empréstimos do Estado ao Fundo de Resolução com a necessidade de "adequar as responsabilidades ao perfil das receitas" desta entidade. "Se mantivéssemos o ónus [do reembolso previsto inicialmente], isso iria colocar a necessidade de reforços adicionais de capital nos maiores bancos, que são os maiores contribuidores para o Fundo de Resolução, desde logo a CGD", alertou.

 

"Esta renegociação era fundamental para salvaguardar sempre a capacidade de o Fundo de Resolução fazer o reembolso dos empréstimos no quadro de maior estabilidade do sistema financeiro", defende o presidente desta entidade, garantido que este objectivo está salvaguardado.



(Notícia actualizada às 19:54)



A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub