Banca & Finanças Custos das seguradoras com desastres naturais atingiram um novo recorde em 2017

Custos das seguradoras com desastres naturais atingiram um novo recorde em 2017

As seguradoras tiveram custos de 135 mil milhões de dólares em 2017 devido aos furacões Harvey, Irma e Maria, o terramoto no México e as inundações na Ásia.
Custos das seguradoras com desastres naturais atingiram um novo recorde em 2017
Reuters
André Cabrita-Mendes 04 de janeiro de 2018 às 12:14

Os custos das seguradoras com desastres naturais em 2017 atingiram um novo máximo: 135 mil milhões de dólares (112 mil milhões de euros). Os dados são da resseguradora Munich Re e foram divulgados pelo Financial Times esta quinta-feira, 4 de Janeiro.

 

Os principais eventos por este aumento de custos foram os furacões Harvey, Irma e Maria, assim como um terramoto no México, ou inundações na Ásia. Estes custos são três vezes mais elevados que a média anual de 49 mil milhões de dólares registados nos últimos 10 anos e 8% mais elevada que nos máximos anteriores registados em 2005 e em 2011.

 

Pelo menos 10 mil pessoas perderam a vida devido aos 710 desastres naturais registados em 2017. Cerca de um quarto das vítimas morreram em resultado das cheias registadas no sul da Ásia.

 

"Apesar de eventos individuais não poderem ser directamente relacionados com as alterações climáticas, os nossos peritos esperam que condições metereológicas extremas aconteçam mais vezes no futuro. Alguns dos eventos catastróficos, como os três furacões ou as inundações na Ásia estão a sinalizar o que é que aí vem ", disse o responsável da Munich Re, Torsten Jeworrek.

 

Olhando para os custos totais, que incluem os bens não segurados, as perdas atingiram 310 mil milhões de dólares (257 mil milhões de euros). 

"Continua a existir uma lacuna em termos de seguros, mesmo num mercado desenvolvido como os Estados Unidos, onde a vasta maioria das casas e dos pequenos negócios não compram seguros para as inundações", segundo o presidente da Munich Re para os Estados Unidos, Tony Kuczinski.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub