Empresas CVS prepara compra da Aetna por 67,5 mil milhões

CVS prepara compra da Aetna por 67,5 mil milhões

O negócio promete revolucionar o sector dos cuidados de saúde nos Estados Unidos e visa responder à entrada da Amazon.com no mercado.
CVS prepara compra da Aetna por 67,5 mil milhões
Reuters
Negócios com Bloomberg 03 de dezembro de 2017 às 21:27

A CVS Health, maior retalhista de produtos farmacêuticos dos Estados Unidos, vai comprar a Aetna por 67,5 mil milhões de dólares (56,7 mil milhões de euros). A notícia já é oficial, depois de durante a tarde deste domingo ter sido noticiada pela imprensa norte-americana.

 

Esta fusão, uma das maiores do sector dos cuidados de saúde dos Estados Unidos da última década, vai criar um gigante que estará presente nos vários pontos da cadeia de valor deste sector, desde os seguros à drogaria da esquina.

 

A Aetna é a terceira maior seguradora de saúde dos EUA e com a aquisição, a CVS (que tem perto de 10 mil farmácias) pode conquistar parte dos 22 milhões de clientes desta empresa. Esta operação, de acordo com a imprensa norte-americana, surge também como resposta à entrada da Amazon no mercado dos medicamentos, que promete revolucionar o segmento de retalho deste sector.

 

Espera-se também que esta operação fomente o surgimento de mais fusões e aquisições neste sector.

 

A oferta da CVS representa um prémio de 29% face à cotação da Aetna a 25 de Outubro, dia em que duas empresas encetaram negociações. A oferta é de 207 dólares por acção, sendo 145 dólares em dinheiro e o resto em acções.

Incluindo dívida, esta operação avalia a Aetna em 78 mil milhões de dólares. A Aetna passará a ser uma unidade da CVS, sendo que fusão deverá estar finalizada no segundo semestre de 2018 e gerar sinergias de 750 milhões de dólares.

(notícia actualizada com comunicado oficial da oferta)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub