Aviação David Neeleman: “Eu não vou pagar o aeroporto para a Ryanair”

David Neeleman: “Eu não vou pagar o aeroporto para a Ryanair”

O accionista da TAP vê o Montijo como uma solução para o novo aeroporto, mas não para a sua companhia aérea. Pede rapidez e diz que o terminal pode ser construído “em seis meses”. Quem paga? A Ryanair, a Easyjet e outras companhias que passam a voar para a margem sul do Tejo.
David Neeleman: “Eu não vou pagar o aeroporto para a Ryanair”
Miguel Baltazar/Negócios
Wilson Ledo 19 de outubro de 2017 às 11:06

David Neeleman, accionista da TAP, defende que devem ser as companhias "low cost" a pagar o novo terminal aéreo no Montijo.

"Eu não vou pagar o aeroporto para a Ryanair. Eles devolveram 800 milhões para os accionistas no ano passado. A gente está sobrevivendo aqui [na TAP]", afirmou esta quinta-feira, após um pequeno-almoço com empresários.


Para o empresário americano – que integra o consórcio Atlantic Gateway com Humberto Pedrosa – o grande desafio para Portugal, nesta fase, é o aeroporto de Lisboa. "É um problema. Quando se cresce 25%, a infra-estrutura tem de acompanhar", acrescentou.


"É uma loucura que tenhamos apenas um aeroporto em Lisboa, com uma só pista", reforçou.


Neeleman estranha o prazo de cinco anos para a abertura da pista complementar no Montijo e diz que o terminal "pode ser construído em seis meses", à semelhança do terminal 2 já utilizado pelas "low cost" na Portela.


Uma coisa é certa: "O Montijo não é um aeroporto bom para a TAP", devido à sua operação enquanto "hub", permitindo voos de ligação. "Tem muita gente que faz ponto-a-ponto que pode ir para lá", diz, referindo às companhias de baixo custo.


Outra das preocupações do também dono da companhia brasileira Azul são os sucessivos atrasos na compra de um novo sistema de navegação, que poderia tornar o tráfego aéreo na Portela mais eficiente.


Só com estes desenvolvimentos, a TAP acredita que é possível reforçar a operação. Neeleman tem como vontade voar para 11 novas cidades na América do Norte, como Chicago ou San Francisco.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado TinyTino Há 4 semanas

Ele que resolva o tema com a Vinci

comentários mais recentes
Spartacus Há 4 semanas

Mas se temos um aeroporto em Beja porquê construir outro ? Fica longe ? Vejam os casos da Europa e todos os aeroportos low-cost ficam a mais de hora e meia excepto de Lisboa. Ponham o aeroporto de Beja a funcionar já e criem acessibilidades para Lisboa através de autocarros e comboios.

Ventura Santos Há 4 semanas

Brasileiro falido vem dizer que é dono da TAP e as autoridades competentes não reagem !? O que é necessário para andar com o processo ? Ainda por cima diz que andam lá a sobreviver. Dessa maneira, eu também quero passar a sobreviver, venham 5 lagostas para a mesa do canto ...

Anónimo Há 4 semanas

O americano assume ser Dono da TAP. Finalmente fica clara a violação da lei comunitária na privatização da TAP. E agora, Governo, Tribunal de Contas, AR, Comissão Europeia?

Anónimo Há 4 semanas

Num país de democracia todos (utilizadores e companhias aéreas) devem ter acesso como utilizadores pagadores. Os aeroportos de Portugal não é da TAP.
Muito obrigado a Ryanair, EasyJet, low costs etc por reinventaram como viajar pagando um preço justo e nenhum problema que os criadores serem compensados.

ver mais comentários
pub