Energia Davos: Ministro da Economia abre caminho a empresas portuguesas em África

Davos: Ministro da Economia abre caminho a empresas portuguesas em África

O Banco Africano para o Desenvolvimento tem 11 mil milhões para investir na produção e transporte de electricidade. O Governo português quer empresas nacionais a participar nestes projectos.
Davos: Ministro da Economia abre caminho a empresas portuguesas em África
Bruno Simão/Negócios
André Cabrita-Mendes 18 de janeiro de 2017 às 14:47
Mais de 640 milhões de africanos não têm acesso a energia. África tem assim a taxa mais baixa de acesso à electricidade em todo o mundo.

Para levar electricidade a mais pessoas, e assim promover o desenvolvimento social e económico, o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) tem um ambicioso plano de investimento em energia.

São 11,2 mil milhões de euros que a instituição tem para investir nos próximos cinco anos tanto na produção de electricidade, com a instalação de 160 gigawatts (GW) de nova capacidade, como no transporte de energia.

O Governo português quer colocar empresas portuguesas a participar nesta avalanche de investimentos. Presente em Davos, o ministro da Economia revela que fez contactos ao mais alto nível para colocar as empresas nacionais na linha da frente.

"Estive com o presidente do Banco Africano para o Desenvolvimento [Akinwumi Adesina] que está neste momento com um programa muito importante de investimento na área de energia em África", começou por contar Manuel Caldeira Cabral.

"E estamos exactamente a trabalhar para que as empresas portuguesas sejam incluídas e tenham um papel importante nesses investimentos que o BAD quer que mudem África. Para o Governo, a prioridade é que as empresas portuguesas, que tenham muita competência e capacidade nesta área, participem nestes processos", disse o ministro da Economia ao Negócios a partir de Davos.

Caldeira Cabral está presente pelo segundo ano consecutivo no Fórum Económico Mundial, e vai ser orador em três eventos nos dias 18 e 19 de Janeiro, incluindo num evento onde vão estar presentes vários líderes empresariais de África e da América Latina.

Sobre a capacidade das empresas nacionais, o ministro sublinha que "há várias empresas portuguesas que têm projectos de infra-estruturas em África e que a área de energia é uma área para a qual estão muito bem preparadas", apontando projectos em Angola e Moçambique.

"Queremos que estes processos se concretizem, mas também que as empresas de um país líder em energias renováveis tenham a sua presença e assegurem que uma parte desses contratos vão para empresas portuguesas", defendeu o ministro.


Caldeira Cabral reforçou que as empresas portuguesas têm "muita capacidade e conhecimento do mercado" e que podem aproveitar estes novos investimentos em África para "diversificarem os mercados africanos em que actuam para terem mais oportunidades".


A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
nao pá 18.01.2017

nas Bahamas é que era

Álvaro 18.01.2017


TX JURO

No verão de 2015 tínhamos uma taxa de juros a 10 anos em 1,5%, hoje temos uma taxa a 10 anos em 4%.

Ah... já sei é culpa do Passos!

Esse malvado que não faz fretes à geringonça.

pub
pub
pub
pub