Banca & Finanças DBRS acredita que BCP volta aos lucros em 2017

DBRS acredita que BCP volta aos lucros em 2017

O aumento de capital retirar uma “incerteza central” do caminho do BCP em 2017, acredita a DBRS.
DBRS acredita que BCP volta aos lucros em 2017
Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro 12 de janeiro de 2017 às 15:23

"Para 2017, a DBRS espera que o BCP passe a apresentar lucros e continue a melhorar a rentabilidade, sobretudo com menores entradas de crédito malparado e reduções adicionais nos custos de financiamento. As provisões devem regressar a níveis mais normais à medida que a qualidade de risco continua a estabilizar, ainda que o custo do risco deva permanecer acima dos pares europeus".

 

As frases constam do relatório da agência de notação financeira canadiana no relatório publicado esta quinta-feira, 12 de Janeiro, sobre o aumento de capital de 1,3 mil milhões de euros anunciado na segunda-feira.

 

O aumento de capital, que vai permitir o pagamento integral dos 700 milhões de euros em obrigações convertíveis CoCos estatais, o que, antecipa a DBRS, "vai ter um impacto anual positivo de 65 milhões de euros no resultado líquido".

 

Em relação à operação, a agência canadiana considera que o aumento de capital é um "passo importante para reforçar a posição de capital do BCP", retirando "uma incerteza central do caminho do BCP em 2017", nomeadamente sobre a capacidade de reembolsar a ajuda estatal recebida em 2012. Além deste reembolso, o capital arrecadado com esta operação servirá para melhorar os rácios de capital do banco.

 

O CET 1, rácio de referência, estava em 9,5% em Setembro passado e deverá melhorar para 11,4% com o reforço de capital. "Este rácio corresponde uma melhoria significativa embora a DBRS assinale que a qualidade dos activos do banco continuem fracos e podem continuar a ter impacto sobre o capital", indica a nota.

 

A DBRS acredita que a Fosun e a Sonangol vão ter participações significativas no banco após a operação. Ambas têm autorização do Banco Central Europeu para ascender a 30%.

A agência de rating canadiana tem uma notação financeira de BB, "high", para o BCP. Uma nota que ese situa no patamar considerado especulativo.


A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.01.2017

quem disse? o amado? deve ser mentira...logo, temos de ver para querer, ou vai fazer um AC para pagar dividendos LOL...era cómico.

comentários mais recentes
CHEF 13.01.2017

Eu vou repetir o que já disse. Este banco tem uma montanha gigantesca de imparidade por registar e vai ser obrigado a regista las. Este aumento de capital não cobre um terço do que era preciso. Fujam deste lixo.

vd 12.01.2017

Só três palavras. COMPRA, COMPRA E COMPRA.

Anónimo 12.01.2017

O MONGE DO BCP come tudo e nunca chega, a conversa deles é sempre mesma de sempre, o zé povinho continua alimentando o MONGE . máis 1300 milhões para ir mantendo o MONGE em banho maria.. será que o banco seja como a IGREJA UNIVERSAL que os sócios em vez de terem dividendos tem é que contribuir ???

Anónimo 12.01.2017

vendam tudo ao banco e aos maiores acionistas e afundem isto duma vez so.

ver mais comentários
pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
}
pub