Obrigações DBRS ameaça cortar “rating” do Montepio

DBRS ameaça cortar “rating” do Montepio

A agência de notação financeira canadiana manteve o “rating” do Montepio, mas cortou a perspectiva para “negativa”, o que significa que poderá cortar a notação, que já se encontra num patamar considerado de “lixo”.
DBRS ameaça cortar “rating” do Montepio
Sara Antunes 27 de setembro de 2017 às 15:45

A DBRS manteve o "rating" do Montepio em "BB", o que corresponde a um grau de investimento especulativo, ou seja, é o que é denominado de "lixo".

 

Contudo reviu em baixa a perspectiva para o "rating" de "estável" para "negativo", segundo uma nota emitida esta quarta-feira, 27 de Setembro. O mesmo é dizer que a agência de notação financeira poderá vir a cortar o "rating" da instituição.

 

E porquê? Porque a DBRS está "preocupada com o enfraquecimento do perfil de financiamento do banco", isto depois de no primeiro trimestre do ano se ter verificado "alguma" saída de depósitos da instituição. Além disto, o banco está a braços com um plano "desafiante" de melhoria da qualidade de activos, realça a agência.

 

Mas nem tudo são nuvens negras. A DBRS decidiu "confirmar o rating" porque teve "em consideração o facto de o Montepio ter feito alguns progressos em relação à rentabilidade e ao capital no primeiro semestre de 2017, com o banco a reportar um lucro pequeno e a receber uma injecção de capital de 250 milhões de euros dos seus maiores accionistas", o Montepio Geral Associação Mutualista.

 

"Apesar de improvável no curto prazo", o "rating" do Montepio poderá ser elevado se houver "um fortalecimento significativo dos níveis de capital, uma redução do perfil de risco do banco e uma melhoria material da qualidade de activos." Além disso, também será preciso que haja "uma melhoria consistente da rentabilidade".

 

Por outro lado, poderá haver um corte se a marca Montepio enfraquecer, "como prova de falhanço no reforço da sua base de depósitos no retalho", adianta a mesma fonte. O "rating" poderá também ser afectado se for "incapaz de melhorar a qualidade dos activos e reforçar a sua rentabilidade e posição de capital."




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
surpreso Há 3 semanas

LIXO?MAS,AQUILO NÃO PRECISAVA URGENTEMENTE DE CAPITAL?BURACO,OU MAIS CHINESES?

pub