Obrigações DBRS mantém CGD um nível acima de "lixo"

DBRS mantém CGD um nível acima de "lixo"

A agência canadiana Dominion Bond Rating Service (DBRS) manteve a notação da dívida de longo prazo da Caixa Geral de Depósito no último grau da categoria de investimento de qualidade.
DBRS mantém CGD um nível acima de "lixo"
Tiago Sousa Dias/Correio da Manhã
Carla Pedro 21 de julho de 2017 às 17:07

A agência de rating DBRS reiterou a classificação da dívida de longo prazo da CGD em "BBB" (baixo) - qualidade de crédito adequada, que é o último nível da categoria de investimento -, sendo que a perspectiva continua "negativa".

No relatório a que o Negócios teve acesso, a agência aponta os factores com implicações negativas e positivas para a classificação do banco liderado por Paulo Macedo, apontando que a prioridade é reduzir o seu elevado volume de crédito malparado. 

Quanto aos factores com efeitos positivos para o rating da CGD, a agência destaca que antes de mais, poderá ser necessário elevar a notação soberana de Portugal, a par com um registo sustentado de rentabilidade doméstica sólida, um significativo alívio do risco do balanço e um reforço adicional da marca a nível nacional.

 

Além disso, o "outlook" pode passar a "estável" se a DBRS observar "mais avanços na concretização do seu plano estratégico, incluindo uma redução substancial do crédito malparado e uma melhoria da rentabilidade".

 

No cenário oposto, a agência vê como implicações negativas para o rating quaisquer sinais de instabilidade na nova equipa de gestão do banco, bem como qualquer desvio material perante as metas chave anunciadas no plano estratégico. Exemplo? Não ser capaz de regressar à rentabilidade a nível doméstico nem reduzir materialmente o malparado nos próximos 12 a 18 meses.

A agência canadiana reforça esta visão, recordando que a CGD regista perdas desde 2011, "essencialmente sobretudo ao elevado nível de imparidades".

 

Um outro factor que poderá levar a uma significativa deterioração da situação de capital da CGD prende-se com eventuais perdas operacionais superiores ao antecipado, sublinha o relatório da DBRS.

 
(Notícia actualizada às 17:46)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub