Media Deco informa sobre vendas porta a porta

Deco informa sobre vendas porta a porta

Uma das acções que vão assinalar o Dia Mundial dos Direitos dos Consumidores é o lançamento da campanha “vendas à minha porta não!”, pela Deco. A associação diz receber cerca de quatro mil reclamações por ano sobre este tipo de vendas.
Deco informa sobre vendas porta a porta
Alexandra Machado 14 de março de 2017 às 06:00
A Deco – Associação  Portuguesa para a Defesa do Consumidor vai lançar uma campanha para alertar os consumidores das vendas porta a porta.

Designada "vendas à minha porta não!", a campanha visa, segundo revela a Deco, reforçar "a importância de estar informado quando abrir a porta a este tipo de vendas". Para tal, concebeu um vídeo e um pendurante, que pode ser descarregado na internet e colocado à porta de casa.

Esta iniciativa, acrescenta a associação, enquadra-se nas acções que vão ser promovidas no âmbito do Dia  Mundial dos Direitos dos Consumidores, a assinalar esta quarta-feira, 15 de Março.

A Deco justifica esta acção específica com o facto de receber todos os anos cerca de quatro mil reclamações sobre vendas porta a  porta. E, por isso, explica que os consumidores devem ser alertados para fazerem perguntas a quem lhes bate à porta: "Quem é? O que faz? O que vende? Que produto tem? Que serviço apresenta?"

Estas são as questões de base que têm de ser feitas aos vendedores, mas a Deco aconselha ainda os consumidores a exigirem a esses vendedores uma descrição detalhada do produto ou serviço, a confirmação do custo final e de custos adicionais, bem como a duração do contrato e se existe um período de fidelização, ou seja, a obrigatoriedade de ficar com esse serviço por um tempo determinado. Nestas vendas porta a porta o consumidor tem 14 dias para voltar atrás, tendo de fazê-lo por escrito.

Com esta acção a Deco diz pretender "informar todos os consumidores do que devem exigir aos vendedores, obrigando-os a prestar-lhe os esclarecimentos que entender ou simplesmente a retirarem-se da sua porta". Em comunicado, a Deco  diz ter uma preocupação acrescida com os consumidores que não têm capacidade para reclamar e pedir apoio. Mas, no geral, "reivindicamos desde já um maior controlo destas vendas associadas a práticas desleais", refere Ana Tapadinhas, directora-geral da Deco, citada no comunicado.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Joaquim Costa 14.03.2017

A DECO no primeiro Leilão que fez referente à Electricidade RECEBEU 1,5 Milhões da Endesa no mesmo dia que terminou o Leilão (mesmo antes de anunciar o vencedor). Das mais de 350.000 adesões, se a Endesa Contratasse 100.000 mil, a DECO recebia mais 1,5 Milhões. Por isso não quer os Comerciais!!!!!!

Anónimo 14.03.2017

Impressionante andarem a falar de vendedores porta a porta quando a venda mais agressiva é a da própria Deco, é impressionante a quantidade de vezes que ligam e nos horários mais ridículos

Joaquim Costa 14.03.2017

Efectivamente existem Comerciais que são desonestos! Mas como tudo e em todas as profissões, existem Comerciais sérios e trabalhadores que elucidam os seus possíveis Clientes e eles trocam de Comercializador conscientemente. Na DECO também deve existir bons trabalhadores e outros menos bons.

Ciifrão 14.03.2017

A Deco pode vender os outros não. Felizmente deixei de os aturar.

pub