Banca & Finanças Dependência da banca do BCE: Primeiro semestre foi o melhor desde 2009

Dependência da banca do BCE: Primeiro semestre foi o melhor desde 2009

A dependência da banca portuguesa face ao banco central tem vindo a descer, sendo actualmente menos de metade do máximo, atingido no primeiro semestre de 2012.
Dependência da banca do BCE: Primeiro semestre foi o melhor desde 2009
Sara Matos/Negócios
Sara Antunes 11 de julho de 2017 às 11:48

O montante de financiamento da banca portuguesa junto do Banco Central Europeu (BCE) desceu 6,5%, em Junho, para um total de 23,18 mil milhões de euros, revelam os dados divulgados esta terça-feira, 11 de Julho, pelo Banco de Portugal, através do BPStat.

 

Este volume de financiamento é o mais baixo desde 2009, quando analisados os dados do final do semestre. No final do primeiro semestre de 2009 o total de financiamento do BCE à banca nacional era de 10,56 mil milhões de euros.

 

Aquele ano foi marcado pelo consecutivo aumento de dependência da banca nacional do banco central, já que foi marcado pela crise financeira que assolou o mundo. Recorde-se que a falência do Lehman Brothers nos EUA ocorreu em Setembro de 2008 e as consequências da crime de "subprime" alastraram-se à Europa.

 

Da crise financeira, a Europa passou para uma crise de dívida, que culminou com o pedido de resgate financeiro da Grécia no ano de 2010, seguindo-se a Irlanda e Portugal, em 2011.

 

Este pedido de ajuda externa fechou os mercados para o país, e a banca teve de recorrer cada vez mais ao BCE para conseguir financiar-se. O pico foi atingido precisamente em Junho de 2012, mês em que os empréstimos do banco central aos bancos portugueses superaram os 60,5 mil milhões de euros, um valor nunca antes visto.

 

Desde então, a tendência tem sido de redução progressiva da dependência do BCE. Desde Março de 2016 que o montante de financiamento da banca está abaixo dos 25 mil milhões de euros.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Juca Há 1 semana

Na foto o cavalheiro que está com as mãos no ar diz: calma, este aqui ao lado "já fotes" e a seguir vou eu.

Anónimo Há 1 semana

Muitos outros povos foram mais sérios e competentes do que os portugueses e reestruturaram despedindo os excedentários da banca de retalho resgatada e virando-se para a banca de investimento, o capital de risco, a gestão de investimentos, o private equity, as fintech, etc. Em Portugal os resgates e ajudas à banca tiveram muito maiores custos de oportunidade e nem sequer resolveram o problema da banca de retalho porque sem reestruturação e subsequente transformação ele irá voltar.

Recuperação e credibilidade Há 1 semana

É isto que está a acontecer com a banca portuguesa. Vários bancos não resistiram, mas os que o conseguiram sairão desta crise mais fortes. O BCP vai voar...

BCP é todos os dias a mesma COISA Há 1 semana

SOBE UMA HORA e depois até ás 16h30 os ARTISTAS da MANIPULAÇÃO tratam - lhe da saúde ó SRS da CMVM CORRAM com esta corja do BCP MANDEM - NOS TRABALHAR eles que vão para as praias APANHAR BEATAS que já são MAIS que as AREIAS

pub