Banca & Finanças Desconto no aumento de capital pressiona acções do BCP  

Desconto no aumento de capital pressiona acções do BCP  

Por cada acção, os accionistas do BCP vão receber um direito, com o qual poderão subscrever 15 novas acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.
Desconto no aumento de capital pressiona acções do BCP  
Bruno Simões
Nuno Carregueiro 09 de janeiro de 2017 às 23:01

As acções do Banco Comercial Português deverão estar sob pressão na sessão desta terça-feira, 10 de Janeiro, com os investidores a reflectirem na negociação dos títulos a informação sobre o aumento de capital de 1,33 mil milhões de euros.

 

Os títulos fecharam esta segunda-feira nos 1,0412 euros e deverão agora reflectir o desconto que será aplicado no aumento de capital. As novas acções serão emitidas a 9,4 cêntimos cada uma, o que representa um desconto de 90% face à última cotação.

 

Desconto de 38,6%

 

Tendo em conta o valor teórico dos títulos após o aumento de capital (cada acção dá o direito a subscrever 15 novos títulos), o desconto é de 38,6%, sendo que deverá servir de barómetro para a abertura das acções esta terça-feira.

 

Por cada acção que detêm actualmente, os accionistas vão receber um direito, que por sua vez garante a subscrição de 15 novas acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.

 

Somando o encaixe com o aumento de capital (1,33 mil milhões de euros), à capitalização bolsista actual (983,5 milhões de euros), o BCP apresenta um valor de mercado pós-aumento de capital de 2,315 mil milhões de euros. Dividindo este valor pelo número de acções após a conclusão da operação (15.113.989.952), o valor teórico da acção do BCP pós aumento de capital e destaque dos direitos é de 0,1532 euros.

 

Tendo em conta a actual cotação do BCP (fecho de segunda-feira, 9 de Janeiro), cada direito do BCP apresenta um valor teórico de 0,888 euros. Este valor corresponde à diferença entre a cotação actual e a cotação teórica pós destaque dos direitos. Pode também ser encontrado multiplicando 15 (número de acções que cada direito permite subscrever) pela diferença entre o preço teórico da acção pós destaque dos direitos (0,1532 euros) e o preço do aumento de capital (0,094 euros).

 

Contudo, este valor teórico dos direitos é nesta altura apenas uma referência, pois vai variar em função da evolução da cotação das acções.

 

Ajuste técnico das acções ainda sem data

 

Apesar de já ter anunciado a realização do aumento de capital, não há ainda datas para as várias etapas do aumento de capital. Quando a operação arrancar oficialmente haverá lugar ao destaque dos direitos, sendo que nessa altura as acções vão sofrer um ajuste técnico em bolsa.

 

Se nessa altura a cotação do BCP for a actual (1,0412 euros), o valor da acção ajustará para 0,1532 euros e em troca os accionistas recebem um direito que nessa altura terá um valor teórico de 0,888 euros.


Contudo será pouco provável que quando acontecer o ajuste técnico nas acções estas apresentem uma cotação idêntica à actual, uma vez que já esta terça-feira os títulos deverão reflectir o desconto de 38% que foi aplicado na operação.

 

É pelo menos este o comportamento habitual das acções de empresas nas sessões posteriores aos anúncios de aumento de capital, com os investidores a posicionarem-se nos títulos reflectindo já a informação referente à operação.

Os números do aumento de capital do BCP

Novas acções a emitir: 14.169.365.580
Acções após aumento e capital: 15.113.989.952
Preço do aumento de capital : 9,4 cêntimos por acção
Encaixe com aumento de capital: 1,33 mil milhões de euros
Preço teórico da acção após aumento de capital: 15,32 cêntimos*
Desconto face ao preço teórico da acção: 38,6%
Desconto face ao preço da acção: 90%
Preço teórico dos direitos: 88,8 cêntimos*
Valor de mercado do BCP pós aumento de capital: 2,315 mil milhões de euros

 

*Tem em conta cotação de fecho do dia de anúncio do aumento de capital, nos 1,0412 euros   


A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Skizy 09.01.2017

Parsbens ao jornal de negocios por esta noticia muito bem explicada.

comentários mais recentes
Anónimo 10.01.2017

Zé Manel, não seja mauzinho! Então o senhor vai retirar todo o seu dinheiro para provocar a falência do banco só para depois poder apregoar que estava certo?
:)

xxx 10.01.2017

@ João
Deixe as drogas, que lhe fazem mal. Estava a fazer daytrade com BCP quando Amado, depois do fecho da sessão, anunciou o AC de 2014. A queda no dia seguinte foi tão má que esperei pelo AC e fui ao AC a ver se perdia menos. O AC foi a 7,50€ hoje nem 1€ valem. Vá a este vá, que também é bom...

Zé Manel 10.01.2017

Parece-me mais um banco a caminho da falência à semelhança de outros casos recentes em Portugal. Vou rapidamente mudar todo o dinheiro que lá tenho para outro banco, estrangeiro, e deixar que estoure sozinho.

Pinto 10.01.2017

Não se deve falar em desconto visto que só os ACTUAIS acionistas podem comprar ações a este preço, ou novos investidores que comprem direitos aos ACTUAIS acionistas. As novas acções até podem ser mais caras que as actuais, depende do preço a que forem vendidos os direitos pelos ACTUAIS acionistas.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub