Banca & Finanças Deutsche Bank poderá ter ajudado Monte dei Paschi a esconder perdas

Deutsche Bank poderá ter ajudado Monte dei Paschi a esconder perdas

Uma auditoria dos reguladores alemães ao Deutsche Bank conclui que o banco poderá ter manipulado índices internos no âmbito de um esquema fraudulento com o objectivo de esconder perdas do Monte dei Paschi.
Deutsche Bank poderá ter ajudado Monte dei Paschi a esconder perdas
reuters
Negócios 08 de Dezembro de 2016 às 11:06

De acordo com uma auditoria, citada pela agência Bloomberg, realizada pelos reguladores alemães ao Deutsche Bank, este banco alemão terá ajudado o italiano Banca Monte dei Paschi a esconder perdas num negócio levado a cabo entre as duas instituições financeiras, em 2008.

 

A Bloomberg refere que no relatório do Bafin a que teve acesso é referida a existência de "anomalias" nos valores dos activos utilizados para definir o preço do Monte dei Paschi. Em causa estará a manipulação, pelo Deutsche Bank, de índices internos relacionados com produtos indexados à Taxa Euribor (DB FRB EUR; DB Trends EUR).

 

Apesar de os investigadores não terem conseguido estabelecer uma ligação directa entre a alegada manipulação e o resultado final do negócio realizado entre os dois bancos em 2008, concluíram que o Deutsche Bank não seguiu quaisquer directrizes por forma a monitorizar eventuais irregularidades nos referidos índices.

 

Este negócio foi inicialmente noticiado já em 2013, também pela agência Bloomberg, que então reportava a forma como o negócio realizado com o Deutsche Bank tinha permitido ao Monte dei Paschi - o terceiro maior banco do sistema italiano e o mais antigo do mundo ainda em actividade – esconder centenas de milhões de euros em perdas decorrentes de uma anterior transacção que havido sido feita com o banco germânico.


Este negócio, conhecido como "Santorini", entre o banco alemão e a instituição italiana terá permitido ao Deutsche Bank lucrar cerca de 60 milhões de euros somente nas duas primeiras semanas de Dezembro de 2008.

 

Um tribunal de Milão também vai iniciar, em princípio já no próximo dia 15 de Dezembro, um julgamento aos dois bancos, isto depois de os procuradores italianos terem concluído que o referido negócio "Santorini" terá permitido ao Monte dei Paschi falsificar as contas do banco transalpino. O Deutsche Bank e seis antigos gestores de topo do banco italiano estão indiciados pelo tribunal milanês.

 

Em 2015 o Deutsche Bank foi condenado ao pagamento de 2,5 mil milhões de dólares por se considerar que o banco havia criado um esquema de manipulação de taxas de juro com o propósito de obter ganhos financeiros.

 

Apesar de ter sido resgatado pelo Estado italiano, o Monte dei Paschi luta há já cerca de oito anos pela sobrevivência. Na passada sexta-feira foi aprovado um aumento de capital de 5 mil milhões de euros. Porém, tem sido avançado que a resolução do problema poderá implicar a passagem da discussão para o plano europeu. Para já, Itália pediu ao Banco Central Europeu mais tempo - até meados de Janeiro - para resgatar o Monte dei Paschi di Siena.

Se o recurso ao tradicional "bail out" é dificultado pelas regras europeias, adoptar a via do "bail in" (que implica perdas para os obrigacionistas e depositantes) configura um enorme risco de contágio à economia italiana e, consequentemente, ao restante sistema financeiro da Zona Euro. 




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

NAZIS É Q DEVIAM SAIR DA EUROPA. SÃO OS MAIORES TRAIDORES MENTIROSOS E CHANTAGISTAS.
NÃO TRATAM OS PAÍSES POR IGUAL. CUMPRIR SÓ SERÃO ALGUNS.

Capitão Sardinha Há 1 semana

Quê? Não! O Deutshe Bank? Isso é calúnia!

Não acredito.!!!! Há 1 semana

Os alemães são da gente mais séria que existe.
1º porque se riem pouco.
2º porque nos "ajudaram" nos submarinos,assim como à Grécia.
3º porque na pior altura da crise,retiraram biliões e depois emprestaram milhões com bons juros
4º porque até os carros deles nunca emitem poluição.
Santos Nazis

pub
pub
pub
pub