Tecnologias Dia dos solteiros na China leva Alibaba a vender milhões

Dia dos solteiros na China leva Alibaba a vender milhões

A plataforma de comércio online chinesa registou esta sexta-feira, 11 de Novembro, dia dos solteiros, um valor de vendas superior ao mesmo dia do ano passado. No entanto, o ritmo de crescimento foi mais lento.
Dia dos solteiros na China leva Alibaba a vender milhões
Negócios 11 de Novembro de 2016 às 11:18

A nove horas de terminar o dia dos solteiros, o grupo Alibaba já ultrapassava os 91,2 mil milhões de yuans (12,3 mil milhões de euros) de negócios registados no ano passado. Porém o ritmo de crescimento foi mais lento, uma vez que os compradores esperavam maiores cortes nos preços dos produtos, afirma a Reuters.

Em cinco minutos as vendas chegaram aos mil milhões de dólares, e ao fim de uma hora ultrapassavam os cinco mil milhões, um terço mais rápido que em período homólogo. O crescimento geral de vendas ficou mesmo assim abaixo dos 60% registados no ano passado, devido à saturação do retalho doméstico online, a uma economia mais fraca e a um crescimento lento dos rendimentos.

O evento da Alibaba no dia dos solteiros surgiu em 2009 como forma de encorajar todos aqueles que não têm companheiro(a) a comprarem algo para si. Trata-se de um evento de 24 horas, que movimenta mais transacções que o Black Friday e a Cyber Monday nos Estados Unidos juntos.

A empresa aposta num marketing reforçado um mês antes do acontecimento, com desfiles de moda e jogos de realidade virtual. Este ano o acontecimento contou com a presença de David Beckham e Kobe Bryant na contagem decrescente.

"Em 2013, o nosso volume bruto de negócios num dia era de 35 mil milhões de yuans" afirma Daniel Zhang, director-executivo, acrescentando que agora consegue atingir essa marca numa hora.

Apesar do elevado volume de vendas, os serviços de entrega, empresas de embalagens e fornecedores afirmam que a prática de preços mais baixos traduz-se em margem de lucro reduzidas.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub