Automóvel Dieselgate: Suspeitas sobre a Renault chegam às autoridades judiciais

Dieselgate: Suspeitas sobre a Renault chegam às autoridades judiciais

As autoridades receberam a investigação preliminar levada a cabo pela agência pública de defesa dos consumidores em França. O caso de alegada manipulação das emissões de gases pode acabar em julgamento.
Dieselgate: Suspeitas sobre a Renault chegam às autoridades judiciais
Negócios 10 de novembro de 2016 às 14:04

As autoridades judiciais francesas receberam esta quinta-feira, 10 de Novembro, dados sobre a investigação levada a cabo pela agência oficial de protecção do consumidor que apontam para suspeitas de manipulação da emissão de gases em veículos diesel levada a cabo pela Renault.

"Cabe agora aos tribunais determinar que acções deve tomar para fazer frente às suspeitas de infracção", refere o Governo francês em declarações citado pela Reuters.


Os procuradores receberam ainda material recolhido em investigações policiais realizadas em várias instalações da Renault, onde se contam entrevistas com funcionários e resultados de testes independentes feitos a veículos da empresa.


As autoridades deverão agora desencadear a sua própria investigação e decidir se avançarão para uma queixa formal junto de um juiz de investigação, o que levaria à realização de um julgamento.


Depois do escândalo de manipulação de emissões de gases que envolveu a Volkswagen, também o fabricante francês se viu a braços com suspeitas semelhantes. A Renault, tal como a Opel e a Fiat, justificaram a utilização de dispositivos que apresentam níveis de emissão diferentes nos testes de estrada com a necessidade de proteger os motores das viaturas, uma excepção considerada legal. A empresa francesa reitera que os seus motores respeitam as normas europeias.

As acções do construtor caem 2,65% para 73,40 euros na bolsa de Paris.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub