Transportes Directora do SEF considera "imprescindível reforço" de pessoal

Directora do SEF considera "imprescindível reforço" de pessoal

A directora nacional do SEF, Luísa Maia Gonçalves, considerou hoje "imprescindível um reforço" de pessoal para este serviço de segurança, tendo em conta que os desafios são cada vez mais complexos e exigem uma resposta adequada.
Directora do SEF considera "imprescindível reforço" de pessoal
Correio da Manhã
Lusa 24 de julho de 2017 às 16:02
"Estes desafios de complexidade crescente carecem de resposta adequada. Certos que é esse o caminho também não podemos deixar de dar conta que na magnitude de tais desafios é imprescindível que haja também reforço de pessoal em todas as carreiras, designadamente, e tem sido feito na investigação e fiscalização, na informática e área documental", disse a director nacional do SEF.

Luísa Maia Gonçalves falava na apresentação do Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo (RIFA) 2016, que decorreu nas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e contou com a presença da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa.

Em resposta, a ministra disse aos jornalistas que, neste momento, está a ser feito um trabalho para "reforçar os meios" e tentar "uma melhor racionalização" através do recurso a novas tecnologias.

Nesse sentido, adiantou que o SEF tem actualmente um projecto de renovação 'online' de títulos de residência, permitindo a libertação de recursos para fazer "uma renovação melhor e mais célere nos títulos de residência".

Questionada sobre a entrada de mais funcionários para aquele serviço de segurança, a ministra afirmou que está a decorrer, neste momento, um concurso para admissão de 45 novos inspectores, devendo entrar em funções no próximo ano.

Sobre as filas no aeroporto de Lisboa, no controlo de passaportes para passageiros provenientes de países exteriores ao espaço Schengen, a governante disse que existe "um número muito significativo de recursos humanos e de inspectores do SEF que estão no aeroporto a fazer esse controlo", além de existirem outras medidas da ANA, nomeadamente "melhor gestão do fluxo para que as pessoas não desembarquem todas ao mesmo tempo num espaço temporal muito curto".

O relatório hoje apresentado revela que em 2016 registou-se uma "inversão da tendência de decréscimo da população estrangeira residente, que se verificava desde 2010, com um aumento de 2,3% face a 2015, totalizando 397.731 cidadãos com título de autorização de residência".

O RIFA 2016 adianta que se registou também um aumento na concessão de novos títulos de residência, o que indica "um retomar da atractividade de Portugal como destino de imigração".

Neste campo, o acréscimo foi de 24%, totalizando 46.921 novos residentes.

O SEF explica o aumento do número de imigrantes com "a percepção de Portugal como país seguro" e com "as vantagens fiscais decorrentes do regime para o residente não habitual".

Estes dois factores tiveram particular impacto nos cidadãos oriundos dos países da União Europeia, sendo esta a zona geográfica que mais sustentou o crescimento dos estrangeiros residentes em Portugal, juntamente com nacionalidades do continente asiático, embora com uma expressão "bastante menor", refere o mesmo documento.

Segundo o relatório, a lista das dez nacionalidades mais representativas em Portugal alterou-se com a entrada da França, cuja comunidade registou um aumento superior a 33% face a 2015 e o Reino Unido passou a ser a sexta nacionalidade com mais elementos, totalizando 19.384, o que representa um crescimento de 12,5%, ultrapassando Angola (16.994).

A nacionalidade brasileira, com um total de 81.251 cidadãos, mantém-se como a principal comunidade estrangeira residente em Portugal, apesar da redução verificada face ao ano anterior (-1.338 cidadãos), uma tendência de diminuição que se verifica desde 2011.

O mesmo documento revela também que os pedidos de asilo a Portugal aumentaram 64% em 2016, face a 2015, registando o maior número de solicitações dos últimos 15 anos.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Deviam ser menos Há 3 semanas

Para a porcaria dos estrangeiros esperarem 10 horas no aeroporto e desaparecerem de vez em Lisboa nem se anda

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub