Bolsa Direitos disparam mais de 8% e impulsionam acções do BCP

Direitos disparam mais de 8% e impulsionam acções do BCP

As acções do BCP terminaram o dia a subirem mais de 4%, sustentadas pelos ganhos acentuados dos direitos de subscrição do aumento de capital.
Direitos disparam mais de 8% e impulsionam acções do BCP
Miguel Baltazar/Negócios

Os direitos valorizaram 8,74% para 73,4 cêntimos, reduzindo para 10,49% a queda semanal. 

 

Esta subida acabou por impulsionar as acções do banco liderado por Nuno Amado, que terminaram o dia a subir 4,36% para 15,33 cêntimos. No acumulado da semana, as acções perderam 2,67%.

 

O dia foi de oscilações acentuadas, com os direitos a chegarem a perder mais de 10% e as acções mais de 3%, quedas que reflectiam a pressão vendedora sobre os títulos por parte dos accionistas do banco que não pretendem acompanhar o aumento de capital, sendo que neste caso só têm até segunda-feira para vender os direitos em bolsa.

 

Do lado oposto está a Fosun, que exerce uma pressão compradora no mercado, uma vez que tem de comprar direitos para garantir a percentagem de capital de 30% que deseja ter no BCP.

 

As acções continuam mais caras do que a cotação de equilíbrio tendo em conta o valor dos direitos. A aquisição de um direito a 73,4 cêntimos (valor de fecho) permite a subscrição de acções com um valor equivalente de 14,29 cêntimos, ou seja, 6,8% abaixo da actual cotação. Já à cotação das acções corresponde um valor teórico dos direitos de 88,95 cêntimos, ou seja, 21,2% acima do valor a que estes títulos negoceiam em bolsa.
 

O BCP revelou ontem que o CEO, Nuno Amado, comprou mais de 12 mil direitos de subscrição do aumento de capital, pelo que irá investir perto de 100 mil euros na operação.

Esta sexta-feira, o Jornal Económico avança que a EDP deverá acompanhar o aumento de capital de 1.332 milhões de euros de forma a manter a participação qualificada superior a 2%. O Negócios apurou também que 

Sonangol e a InterOceânico também deverão acompanhar o aumento de capital do BCP para manter, no mínimo, as posições accionistas que actualmente detém no banco liderado por Nuno Amado. 

  

Esta situação de acentuado desequilíbrio tem sido a nota dominante na negociação das acções e direitos do BCP. Os direitos arrancaram a negociação na quinta-feira da semana passada bem abaixo do preço de equilíbrio com as acções, tendo recuperado nas duas sessões posteriores.

 

Os direitos negoceiam em bolsa até à próxima segunda-feira, 30 de Janeiro, terminando a 2 de Fevereiro (quinta-feira) o período de exercício. As novas acções deverão ser admitidas à negociação a 9 de Fevereiro.

 

No âmbito do aumento de capital de 1.332 milhões de euros, cada direito permite a compra de 15 acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.

 




A sua opinião30
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Visionario 29.01.2017

Logicamente Com uma Base acionista forte Os fantasmas serao afastados! O q ajuda o short Sao as incertezas!
O bcp ficara apos AC cm um valor proximo de 2000 milhoes, conseguindo normalizar e estabilizar vale 10000 milhoes de caras! Se ficar com o NB a parada aumenta para 20000 milhoes!

Criador de Touros 29.01.2017

O BCP pagará coco's ou nesta semana que agora entra ou na próxima: quem estiver dentro irá capitalizar. Os shorts serão engolidos como tremoços com cerveja no Verão. Estou cheio de pena desses coitados !!; ) Falo dos tremoços...

Anónimo 29.01.2017

Em Portugal não há mercado para dois grandes retalhistas. A sonae está a arrear e a ser comida pelo jeronimo martins. Daí ter há quase dois anos um péssimo desempenho em bolsa !

Jumbo 29.01.2017

Não conhecer os básicos do investimento em ações dá nisto: gente que além de ignorante não é capaz de reconhecer que os unicos culpados pelas perdas são eles próprios. Sabiam que havia risco mas não sabiam que podiam perder, inclusivamente tudo, numa eventual falência? Que tolinhos...

ver mais comentários
pub