Bolsa Direitos disparam mais de 8% e impulsionam acções do BCP

Direitos disparam mais de 8% e impulsionam acções do BCP

As acções do BCP terminaram o dia a subirem mais de 4%, sustentadas pelos ganhos acentuados dos direitos de subscrição do aumento de capital.
Direitos disparam mais de 8% e impulsionam acções do BCP
Miguel Baltazar/Negócios

Os direitos valorizaram 8,74% para 73,4 cêntimos, reduzindo para 10,49% a queda semanal. 

 

Esta subida acabou por impulsionar as acções do banco liderado por Nuno Amado, que terminaram o dia a subir 4,36% para 15,33 cêntimos. No acumulado da semana, as acções perderam 2,67%.

 

O dia foi de oscilações acentuadas, com os direitos a chegarem a perder mais de 10% e as acções mais de 3%, quedas que reflectiam a pressão vendedora sobre os títulos por parte dos accionistas do banco que não pretendem acompanhar o aumento de capital, sendo que neste caso só têm até segunda-feira para vender os direitos em bolsa.

 

Do lado oposto está a Fosun, que exerce uma pressão compradora no mercado, uma vez que tem de comprar direitos para garantir a percentagem de capital de 30% que deseja ter no BCP.

 

As acções continuam mais caras do que a cotação de equilíbrio tendo em conta o valor dos direitos. A aquisição de um direito a 73,4 cêntimos (valor de fecho) permite a subscrição de acções com um valor equivalente de 14,29 cêntimos, ou seja, 6,8% abaixo da actual cotação. Já à cotação das acções corresponde um valor teórico dos direitos de 88,95 cêntimos, ou seja, 21,2% acima do valor a que estes títulos negoceiam em bolsa.
 

O BCP revelou ontem que o CEO, Nuno Amado, comprou mais de 12 mil direitos de subscrição do aumento de capital, pelo que irá investir perto de 100 mil euros na operação.

Esta sexta-feira, o Jornal Económico avança que a EDP deverá acompanhar o aumento de capital de 1.332 milhões de euros de forma a manter a participação qualificada superior a 2%. O Negócios apurou também que 

Sonangol e a InterOceânico também deverão acompanhar o aumento de capital do BCP para manter, no mínimo, as posições accionistas que actualmente detém no banco liderado por Nuno Amado. 

  

Esta situação de acentuado desequilíbrio tem sido a nota dominante na negociação das acções e direitos do BCP. Os direitos arrancaram a negociação na quinta-feira da semana passada bem abaixo do preço de equilíbrio com as acções, tendo recuperado nas duas sessões posteriores.

 

Os direitos negoceiam em bolsa até à próxima segunda-feira, 30 de Janeiro, terminando a 2 de Fevereiro (quinta-feira) o período de exercício. As novas acções deverão ser admitidas à negociação a 9 de Fevereiro.

 

No âmbito do aumento de capital de 1.332 milhões de euros, cada direito permite a compra de 15 acções, mediante o pagamento de 9,4 cêntimos por cada uma.

 




A sua opinião26
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Criador de Touros 29.01.2017

O BCP pagará coco's ou nesta semana que agora entra ou na próxima: quem estiver dentro irá capitalizar. Os shorts serão engolidos como tremoços com cerveja no Verão. Estou cheio de pena desses coitados !!; ) Falo dos tremoços...

Anónimo 29.01.2017

Em Portugal não há mercado para dois grandes retalhistas. A sonae está a arrear e a ser comida pelo jeronimo martins. Daí ter há quase dois anos um péssimo desempenho em bolsa !

Jumbo 29.01.2017

Não conhecer os básicos do investimento em ações dá nisto: gente que além de ignorante não é capaz de reconhecer que os unicos culpados pelas perdas são eles próprios. Sabiam que havia risco mas não sabiam que podiam perder, inclusivamente tudo, numa eventual falência? Que tolinhos...

o armado em jorge 29.01.2017

mas teve de ser até agora a partir de agora acabou se o descoberto os chineses não deixam nem eles nem eu senão perdemos $$$$$$

ver mais comentários
pub