Media Distribuidora do grupo Urbanos fecha e deixa efeitos colaterais

Distribuidora do grupo Urbanos fecha e deixa efeitos colaterais

Depois de ter deixado a distribuição dos jornais diários, a Distrinews II cessou o seu serviço. Vai para insolvência. Deixa dívidas por pagar. A Motorpress está em dificuldades. Já a concorrente Vasp, dos grandes grupos de comunicação social, fica com posição dominante.
Distribuidora do grupo Urbanos fecha e deixa efeitos colaterais
Bloomberg
Diogo Cavaleiro 07 de setembro de 2017 às 15:29

A distribuidora de jornais e revistas do grupo Urbanos deixou de distribuir jornais e revistas. A suspensão de serviço da Distrinews II – Distribuição de Publicações foi anunciada esta semana depois de ter vindo a reduzir a sua actividade. Deixa clientes em dificuldade e o mercado da distribuição de publicações periódicas nas mãos da concorrente.

 

"Tornou-se economicamente inviável e insustentável manter na Distrinews Publicações a actividade de distribuição de publicações que vem sendo desenvolvida", anunciou a companhia numa comunicação aos clientes, a que o Negócios teve acesso. 

 

A suspensão da actividade teve efeitos a partir desta terça-feira, 5 de Setembro. "A administração desta empresa [entende] que, tendo em conta a actual situação financeira da sociedade, é forçosa a apresentação da mesma a processo de insolvência", acrescenta o mesmo documento, assinado por António Almeida e Gonçalo Carvalho (ex-administrador da Ongoing).

 

"A Distrinews II apresentará um plano de recuperação no processo de insolvência para submeter a aprovação pelos credores que possibilitará a viabilidade da sociedade com outros contornos, visando garantir o cumprimento dos compromissos num prazo mais alargado", continuam os responsáveis da antiga Urbanos Press. No portal Citius, ainda não foi incorporada esta informação. 

 

Anos a perder força

 

A Distrinews II é o novo nome da Urbanos Press, sociedade que comprou a Logista em 2013, com a Urbanos como accionista maioritário, a par do Público, A Bola e o Diário Económico (entretanto falido). No final do ano passado, a empresa deixou de levar para as bancas os dois jornais que eram publicados todos os dias, mantendo apenas a distribuição de publicações que iam para as bancas numa base não diária. Público e Bola passaram a ser distribuídos pela Vasp.

 

Este Verão, a Masemba – que publica a Lux –, a Goody – editora da Top Gear – e a Moon Media (responsável pela Casas de Portugal e a Urbana) deixaram a Distrinews II, justificando a opção por atrasos nos pagamentos aos editores, conforme noticiado pelo Meios e Publicidade. Nessa altura, mudaram-se igualmente para a Vasp.

 

Motorpress em dificuldades

 

"Na sequência dos problemas relacionados com a distribuidora Urbanos Press/Distrinews II, esclarecemos que o Autohoje (bem como todas as restantes publicações da Motorpress Lisboa) passa a chegar às bancas de todo o país através da Vasp - Distribuidora de Publicações, SA. Esta mudança tem efeitos imediatos já na edição n.º 1452 que estará à venda amanhã, quinta-feira, 7 de Setembro", aponta o comunicado oficial no site. O jornal i diz que a Motorpress prepara-se para pedir insolvência, a empresa diz que está à procura de soluções.

 

"Não existe neste momento uma situação definida. Existem negociações para se encontrarem soluções", disse João Ferreira, administrador da Motorpress, ao Dinheiro Vivo. "Os accionistas continuam à procura de uma solução para dar seguimento com a operação da editora depois dos problemas provocados pela situação de ruptura da distribuidora Urbanos Press / Distrinews II não só em termos logísticos como em termos financeiros", continua o administrador da empresa que publica títulos como a Super Interessante e a Pais e Filhos, citado pelo mesmo jornal.

Certo é que, com as recentes movimentações, a Vasp - da Cofina (dona do Correio da Manhã, Negócios, Sábado), Impresa (Expresso, SIC) e Global Media (DN, JN) - fica com uma posição praticamente monopolista no mercado. 

 

Urbanos em dificuldade

 

A insolvência da empresa do grupo Urbanos ocorre quando o universo presidido por Alfredo Casimiro espera a recuperação de outras sociedades, incluindo a própria "holding".

Há um ano que o grupo está a negociar com os credores a sua salvação, de modo a evitar a insolvência, conforme já noticiado pelo Negócios.




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 09.09.2017

Mas era o que já se previa, após a saída d'A Bola e o Público da Distrinews, o grosso do lucro da empresa acabou. Já há algum tempo que se pagava a mercadoria em facturação uma semana antes de se efectuar a devolução. Fico com um prejuízo de cerca de 170€. Tentei manter-me o mais atento possível.

Anónimo 08.09.2017

Infelizmente também me pode tocar as percas da caução.
Para o anónimo que escreveu aqui que tem 2 mil lá dou de conselho só devolver o que não tem interesse de venda por hábito.
manuel6ma@sapo.pt se quiser falar comigo.

Anónimo 07.09.2017

Ó Tomas Há 4 horas, parece que estás a ver o filme ao contrário. Aqui a Mafia é o devedor.

O burro sou eu 07.09.2017

É o que dá patos bravos no mundo dos negocios, eram estes artistas que queriam comprar os ctt

ver mais comentários
pub