Banca & Finanças Domingues sai e entrega declaração de património

Domingues sai e entrega declaração de património

Apesar da demissão, o líder demissionário da Caixa entrega esta segunda-feira a declaração de património no TC e a contestação. Domingues quer deixar claro que não sai para esconder nada.
Domingues sai e entrega declaração de património
Miguel Baltazar/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 28 de Novembro de 2016 às 12:24
O presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai entregar a declaração de património no Tribunal Constitucional (TC) esta segunda-feira, apesar de se ter demitido da liderança do banco público, avançam o Expresso e a SIC Notícias. Domingues quer deixar claro que as razões da sua saída não são a falta de vontade para cumprir a lei. Tal como o Negócios noticiou, a saída do líder da Caixa resultará da falta de confiança política do Governo e do Presidente da República.

Juntamente com a declaração de património, o líder da Caixa apresentará a contestação jurídica à entrega das declarações que o banco preparou. Outros administradores também preparam a entrega das declarações, adiantam aqueles órgãos de comunicação. 

A disponibilização desta informação junto do TC tem dois objectivos: explicar através da contestação os motivos pelos quais as declarações não foram entregues num primeiro momento e entregar as declarações para provar que a não há nada a esconder.

No entanto, se o TC confirmar que os gestores da Caixa já estão obrigados a entregar as declarações - mesmo antes da entrada em vigor da legislação aprovada na sexta-feira no Parlamento - os gestores ficam obrigados a entregar as declarações apesar da sua saída. Isto porque uma reconfirmação do TC significa que os gestores do banco estão abrangidos pela lei de 1983 desde o início - daí as obrigações existem desde o início do mandato, que começou a 31 de Agosto. Ou seja, Domingues não tinha outra saída, senão entregar.  

Negócios noticiou no domingo à noite, depois de ser conhecida a demissão do líder da Caixa, que Domingues estaria disposto a entregar as declarações de património mas queria que Costa e Marcelo declarassem publicamente que, depois de entregues esses elementos, a confiança no presidente da Caixa estava intacta, ou seja, que a sua idoneidade permaneciainalterada.

O líder da Caixa considerou que a aprovação no Parlamento da proposta que obriga à entrega das declarações a partir de 1 de Janeiro, independentemente do que o TC viesse a decidir, foi a prova material da falta de empenhamento do primeiro-ministro e do Presidente da República.


Na quinta-feira, o Parlamento aprovou uma proposta do PSD para obrigar os gestores da Caixa a entregar as declarações de património a partir de 1 de Janeiro - uma obrigação que era independente da decisão do TC - que já tinha notificado a administração da Caixa e ao que tudo indicava ainda teria de ser confirmada. 

O primeiro-ministro, António Costa, rejeitou esta segunda-feira que houvesse falta de confiança política, argumentando que se houvesse a administração teria sido demitida, o que não aconteceu. Costa prometeu uma novo nome para substituir Domingues esta semana.



A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

O PSD/CDS FORAM PRINCIPALMENTE OS CULPADOS DE T O Q SE ESTÁ A PASSAR. PC N TÊM ÉTICA NEM MORAL P FALAR EM TRANSPARENCIA. NUNCA A TEVE. Q DIGA O ESCONDEU C BRUXELAS ENQº MTº?
SERIEDADE É C Q N LHE FALTA. ATÉ FICOU A DEVER Á SS. TINHA Q IR BUSCAR O COLETE DE SALVAÇÃO M PENSO Q LHE SAIU FURADO.

victor pereira Há 4 dias

Vamos lá entender esta gente. Tanto barulho por causa da apresentação da Declaração de Património. Agora demitiu-se e apresentou a tal Declaração. Esta gente trata os portugueses como lorpas. Mas os porrtugueses não são tão morcões como pensam.

Anónimo Há 4 dias

A RESPONSABILIDADE D T ISTO JÁ V DO ANTº GOVº . OU SEJA: JÁ HAVIA PROBLEMAS N CGD.SÓ Q O PSD/CDS N Q A CGD PÚBLICA M SIM PRIVADA C ESTE GOVº CONSEGUIU DAR A VOLTA A M COISA Q JÁ ESTARIA N PRIVADA FIZERAM DISTO UMA CAVALGADURA S LIMITE P DESCREBILIZAR O GOVº.
SÓ ARRANJARAM M LENHA P SE QUEIMAREM.

Anónimo Há 4 dias

è pena que a noticia não esteja completa já que só refere o PSD como autor da lei ,mas escamoteia que a mesma só foi possível de ser aprovada porque o CDS e o BE votaram a favor.
Ao não referir esta situação a noticia torna-se uma manipulação da realidade

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub