Banca & Finanças Domingues "satisfeito" por CGD implementar ideias do seu plano

Domingues "satisfeito" por CGD implementar ideias do seu plano

Na audição da segunda comissão de inquérito, António Domingues reiterou que não tinha qualquer intenção de reduzir o controlo a que estava sujeito. Sobre o tema Caixa, disse: "Não tenho rigorosamente nada para acrescentar".
Domingues "satisfeito" por CGD implementar ideias do seu plano
Bruno Simão/Negócios
Diogo Cavaleiro 18 de julho de 2017 às 16:20

António Domingues admite ficar "satisfeito" por a Caixa Geral de Depósitos estar, sob a gestão de Paulo Macedo, a implementar várias das ideias que constavam do seu plano de negócios.

 

"Fico satisfeito que algumas dessas propostas tenham tido acolhimento e se mantenham", declarou o antigo presidente do banco público, que entrou em funções no final de Agosto e que aí ficou até Dezembro. 

 

Na segunda audição à comissão de inquérito, que se prende nas questões relativas à sua contratação e demissão, Domingues não especificou do que se tratava, mas o ex-vice-presidente do BPI acordou, com a Direcção-Geral da Concorrência e com o Banco Central Europeu, uma redução da estrutura, que passava por reduzir 2.200 trabalhadores a par da diminuição de quase 200 agências até 2020. Um processo que segue em curso.

 

Sem subtracção de controlo

 

A segunda comissão de inquérito à Caixa foi imposta pelo PSD e CDS devido à polémica em torno da demissão de Domingues após a recusa de entrega da declaração de rendimentos e de património no Tribunal Constitucional. Nas várias vezes que já falou sobre o tema, o ex-número 2 de Fernando Ulrich sempre disse que não estava disposto a que houvesse notícias sobre o seu património e dos colegas que convidava, dizendo que a entrega no Constitucional era uma desvantagem comparativa face aos bancos privados.

 

"Não quero que haja nenhuma dúvida de que não se trata de um dispositivo para me subtrair a mim e aos colegas a qualquer tipo de controlo", disse Domingues aos deputados esta terça-feira, 18 de Julho, acrescentando que a sua proposta era a entrega da declaração ao secretário-geral da CGD à entrada e saída de funções, sem que corresse o risco da sua consulta pela comunicação social.

 

"Não tenho rigorosamente nada para acrescentar"

 

Na sua quarta audição parlamentar sobre a CGD, António Domingues respondeu que nada teria a dizer de diferente sobre o que já declarou sobre o tema. "Confesso que tive a ver as minhas notas e não tenho rigorosamente nada para acrescentar".

 

António Domingues protagonizou a quinta audição da segunda comissão de inquérito que tem a Caixa Geral de Depósitos como objecto, que se debruça sobre a contratação e demissão do gestor. O antigo vice-presidente do BPI foi o primeiro a ser ouvido (e agora o último), seguindo-se o ministro das Finanças, Mário Centeno, o secretário de Estado das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, e o governador Carlos Costa.

 

A segunda comissão de inquérito poderá terminar para depois das férias de Verão, ainda que alguns deputados, incluindo o relator socialista Luís Testa, tenham mostrado vontade de encerrar os trabalhos até ao final de Julho, na presente sessão legislativa.

 

Já a primeira comissão de inquérito à CGD, que visa as causas da capitalização da CGD, termina com a votação do relatório final esta terça-feira, 18 de Julho. 

 




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 18.07.2017

Sou obrigado a pagar através de comissões, contribuições e impostos o nível de vida passado, actual e futuro de 2200 assalariados da CGD que não são lá precisos para nada. O sindicato deles, o Sindicato Bancário do Sul e Ilhas (SBSI), já analisou os termos oferecidos pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) no programa de “Revogações por Mútuo Acordo”, divulgado na última semana de Junho aos trabalhadores do grupo público. E a sentença é negativa: “As condições propostas aos trabalhadores ficam aquém das expectativas.” E agora pergunto eu, quem regula e supervisiona estas criaturas? As do escândalo CGD e de outros escândalos semelhantes. Há muitos casos destes nas organizações portuguesas. Tem sido o pão nosso de cada dia. Queriam continuar a dar-me deste pão que o diabo amassou?

comentários mais recentes
JCG 19.07.2017

Um tipo medíocre e até manifestamente reles. Só isso explica as exigências que a criatura fez. E a prosápia: levou a CGD a gastar um balúrdio em consultoria externa em troca de um powerpoint que um estudante mediano de um cursozito de gestão seria capaz de fazer: é só aplicar os clichés do costume.

LOLOL 18.07.2017

Podes ter milhões mas és tão parolito, vê-se logo que vem do nada. Enfim, saiu da aldeia mas a aldeia não saiu dele, ah parolo.

olha olha 18.07.2017

o gajo que anda a esconder o que tem, porque será?

Anónimo 18.07.2017

Domingues "satisfeito" por CGD implementar ideias do seu plano

TAMBÉM FOI O DR DOMINGUES QUE SUGERIU QUE ESMIFRASSEM OS CLIENTES?

RECEBI HÁ DIAS UMA INFORMAÇÃO DA CGD, A DIZER QUE EM SETEMBRO VÃO AUMENTAR O ESBULHO SOBRE OS DEPOSITANTES (DESPESAS DE MANUTENÇÃO MENSAIS), SE EU AINDA LÁ ESTIVER COMO CLIENTE!
BRILHANTE, NÃO É?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub