Banca & Finanças Domingues: "Senti que não tinha condições para gerir o banco"

Domingues: "Senti que não tinha condições para gerir o banco"

António Domingues explica pela primeira vez, no Parlamento, razões para a sua saída do banco público. O ex-presidente da Caixa refere que "ia ficar sem equipa" e justifica que o debate público o condicionou. Gestores não querem ver património pessoal publicado em "tablóides", defendeu.
Domingues: "Senti que não tinha condições para gerir o banco"
Bruno Simão/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 04 de janeiro de 2017 às 12:09

António Domingues disse esta quarta-feira, 4 de Janeiro, que decidiu demitir-se da presidência da Caixa em Novembro porque iria ficar sem equipa e porque considerou que as "implicações" do debate público em torno da polémica da entrega da declaração de património no Tribunal Constitucional o deixava sem condições para gerir o banco. Domingues começou a perceber isso mesmo ainda em Outubro.

O antigo líder da Caixa Geral de Depósitos (CGD) está no Parlamento a falar pela primeira vez sobre os motivos da sua saída do banco estatal, tendo também apresentado alguns detalhes sobre o plano de recapitalização e de negócios que a equipa de Paulo Macedo vai herdar.

"Eu ia ficar sem equipa", disse aos deputados, perante a recusa de alguns administradores em entregar no Constitucional a declaração de património. "Pessoalmente senti que não tinha condições para gerir" o banco, tendo em conta as "implicações que o debate" público teve, sustentou. Domingues deu a entender que durante esse processo recebeu cartas anónimas, mas não especificou sobre o que eram.

"Eu não acredito que consiga atrair profissionais [para a CGD] com experiência, que fizeram as suas carreiras, que tenham como consequência que os seus patrimónios pessoais sejam publicados nos tablóides", afirmou Domingues.

Domingues demitiu-se a 25 de Novembro, uma decisão que foi dada a conhecer pelo Ministério das Finanças dois dias depois. 

O antigo presidente do banco adiantou também que considerou que a demissão naquele momento "não punha em causa o processo de recapitalização", acrescentando que está tudo negociado e acordado com as instituições europeias.  Guardar e Fechar            

António Domingues transmitiu aos deputados a ideia de que tinha sido acordado com o Governo que os administradores da Caixa não teriam de apresentar declaração de património.

O accionista tem "o direito de tomar decisões e de mudar de opinião", afirmou. "Gostava muito de trabalhar na Caixa. Gostava de continuar, mas não tinha condições para o fazer", acrescentou, defendendo que "também têm de respeitar as minhas decisões". 

Durante a mesma audiência perante os deputados da comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, o antigo líder do banco público afirmou que "em Outubro tornou-se claro que essas circunstâncias se tinham alterado", uma percepção que revela ter assimilado durante algum tempo até à decisão final.
 

Foi a 23 de Outubro que o conselheiro de Estado Luís Marques Mendes disse no seu comentário semanal na SIC que o decreto-lei que alterava o Estatuto do Gestor Público (EGP), relativo à exclusão da CGD da aplicação do EGP, excepcionou os administradores da Caixa da obrigação de entrega de declaração de rendimentos no TC.

A polémica estalou nessa data e a 4 de Novembro, já depois do primeiro-ministro ter chutado a questão para o TC, o Presidente da República defendeu que a gestão da Caixa tem de entregar os rendimentos no TC e cabe aos juízes decidirem se são obrigados. Marcelo Rebelo de Sousa não deixou, porém, margem para outro entendimento.

Sobre a alteração de condições que levaram à sua demissão, Domingues explicou que mais importante do que o que lhe tinha sido garantido foi o facto de ter sido mandato para formar equipa no pressuposto de que não teria de expor publicamente o seu património. 

O antigo líder da Caixa contou que esperou pela publicação do EGP em Diário da República para entregar os nomes da equipa ao Banco de Portugal, que tem a função de os validar junto das instâncias europeias. Domingues quis certificar-se de que o EGP publicado previa as condições que lhe tinham sido transmitidas pelo Executivo.   

Domingues saiu a 31 de Dezembro, não tendo aceite prolongar o seu mandato até à entrada de Paulo Macedo, que o ministro das Finanças, Mário Centeno, prevê que seja na próxima semana.

A história dos últimos dias, contada por Domingues

A sua saída de funções foi igualmente marcada por outro episódio, que Domingues relatou esta quarta-feira aos deputados. Segundo o antigo presidente do banco do Estado, o ministro das Finanças, Mário Centeno, enviou-lhe um SMS a 27 de Dezembro a dizer que queria falar-lhe. Domingues aceitou e ficou à espera do contacto de Centeno, que só terá acontecido já no dia 29 de Dezembro. "Falámos a seguir ao jantar", continua.

Domingues explica que o ministro lhe perguntou se poderia ficar mais uns dias, ao que respondeu que apesar de não estar a contar com isso, disse a Mário Centeno que ficaria mas pediu que lhe fosse arranjada uma "solução jurídica" que fosse capaz de enquadrar a situação. Um dos motivos era o facto de o convite para prolongamento de mandato fosse apenas para o próprio.  

Domingues relata que houve contactos com o Ministério, mas não foi apresentada nenhuma solução. O antigo líder diz que quando soube que circulavam notícias a dar conta da sua continuidade na Caixa até à entrada de Paulo Macedo, e perante a ausência de uma solução, informou o ministro de que não continuaria. O que aconteceu a 30 de Dezembro.

Na segunda-feira, confrontado com as notícias da sua recusa, enviou um SMS a Mário Centeno onde mostrava o seu desconforto com essa situação. 

Depois de relatar este episódio, António Domingues defendeu que esta era uma "coisa menor", à qual "não atribuo grande importância".  

(Notícia actualizada com mais declarações feitas por António Domingues)  




A sua opinião25
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 05.01.2017

Não enganas p muito q queiras. Desculpas q não colam. As leis são p todos mas Infelizmente não é o q se tem verificado. Esperemos q as coisas mudem e se abatam os vampiros q nos têm atacado.

Anónimo 05.01.2017

PQ razão este Sr está acima dos outros cidadãos? Ao fazer o q fez acaba p se verificar q n quer q se saiba qual a s fortuna. Gente desta n interessa nas instituições públicas. Será q a declaração de IRS está correcta? Por isso fora c gente rasteira. Pulhas e ladrões são despencáveis.

Anónimo 05.01.2017

Somos gente "de bem". As leis são para essa "maltosa" que nos sustenta...

Se não gostas do Morcela RUA 05.01.2017

Emigra esterco RUA

ver mais comentários
pub