Banca & Finanças Dono da Altice é lesado do BES
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Dono da Altice é lesado do BES

O nome de Patrick Drahi surge no processo de liquidação do BES, que está a correr em Lisboa desde Julho do ano passado. O empresário fundador da Altice investiu em obrigações do antigo banco, cujo reembolso reclama agora através de um tribunal suíço.
Dono da Altice é lesado do BES
Bloomberg

O dono da Altice é um dos "lesados" do Banco Espírito Santo. Um investimento pessoal em obrigações da instituição financeira coloca Patrick Drahi na lista das acções judiciais de reclamaçã)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 06.06.2017

Pesquisou e sondou o mercado. Investiu. Arriscou. Os activos eram maus. Perdeu. Noutras alocações de factor capital ganhou ou ganhará. O que é que os contribuintes ou o Estado têm a ver com isso? Na Altice, em Portugal, ele quer desalocar factor trabalho do qual não precisa mas a legislação portuguesa não o deixa fazê-lo. Este tipo de segurança social premium tem de acabar. Dêem lhe a ele e aos excedentários blindados da Altice em Portugal o equivalente ao RSI na jurisdição onde forem residentes se e quando eles precisarem. Mais do que isso é roubo descarado ao meu agregado familiar tal como é roubo a subsidiação e resgate a todo e qualquer excedentarismo e sobrepagamento no sector público ou privado.

comentários mais recentes
Mr.Tuga 06.06.2017

"POBRE" coitado....

O Toine e os xuxas geringonços ainda te vao por a receber o RSI....

Anónimo 06.06.2017

Não é crime usar "offshores". O Instituto de Gestão do Crédito Público, a CP e o Instituto da Segurança Social, entre outras organizações do sector público, recorrem com toda a naturalidade às ditas offshores. Não é crime escolher no mercado globalizado de serviços financeiros a oferta de serviços que mais se adequa ao perfil, às necessidades e aos interesses de cada um, especialmente num contexto de falência anunciada do tradicional sistema bancário de retalho em Portugal, não só por este último ser um negócio obsoleto que não quer evoluir com o mercado pois em Portugal tudo é anti-mercado e portanto cego à evolução e à melhoria contínua, como por ter perdido toda a credibilidade ao ficar pejado de criminosos de todos os tipos e feitios. http://www.jornaldenegocios.pt/economia/financas-publicas/detalhe/igcp_cp_e_seguranca_social_usaram_offshores___tsf

Anónimo 06.06.2017

"Segurança social Premium" é a que os da sua laia devem ter com os milhões postos a salvo nas offshores sem declarar... ele há com cada energúmero...

Anónimo 06.06.2017

Pesquisou e sondou o mercado. Investiu. Arriscou. Os activos eram maus. Perdeu. Noutras alocações de factor capital ganhou ou ganhará. O que é que os contribuintes ou o Estado têm a ver com isso? Na Altice, em Portugal, ele quer desalocar factor trabalho do qual não precisa mas a legislação portuguesa não o deixa fazê-lo. Este tipo de segurança social premium tem de acabar. Dêem lhe a ele e aos excedentários blindados da Altice em Portugal o equivalente ao RSI na jurisdição onde forem residentes se e quando eles precisarem. Mais do que isso é roubo descarado ao meu agregado familiar tal como é roubo a subsidiação e resgate a todo e qualquer excedentarismo e sobrepagamento no sector público ou privado.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub