Turismo & Lazer Dono da Gucci anseia tirar liderança à Louis Vuitton

Dono da Gucci anseia tirar liderança à Louis Vuitton

François-Henri Pinault não esquece a disputa, há quase 20 anos, pela Gucci. Agora, após um ano de receitas recorde, traça como meta a liderança do negócio do luxo, nas mãos da Louis Vuitton.
Dono da Gucci anseia tirar liderança à Louis Vuitton
reuters, bloomberg
Wilson Ledo 13 de fevereiro de 2018 às 14:24

O grupo Kering, dono da marca de luxo Gucci, registou um ano recorde em 2017. As receitas cresceram 27% para os 15,5 mil milhões de euros e o lucro operacional aumentou 56%, para os 2,95 mil milhões de euros.

"Tivemos um ano excepcional em 2017", reagiu o presidente François-Henri Pinault esta terça-feira, 13 de Fevereiro, em Paris. O desempenho é fortemente justificado pela Gucci, cuja dupla de criativos Marco Bizzarri e Alessandro Michele tem conduzido a marca nos últimos anos.


Pinault acredita que a Gucci pode um dia atingir a posição da rival Louis Vuitton, detido pela LVHM, o maior grupo de luxo no mundo.  "O potencial da Gucci pode tornar-se o mesmo que o da Louis Vuitton, sim, ao longo do tempo. Porque não?", afirmou ao Financial Times.


O jornal britânico diz que esta é também uma provocação a Bernard Arnault, dono da Louis Vuitton, que tentou comprar a Gucci em 1999. A Kering, então conhecida como PPR, acabaria por levar a melhor.


A Kering, que integra outras marcas de luxo como Saint Laurent, Balenciaga ou Stella McCartney, tem procurado reposicionar-se apenas no mercado de luxo, depois de uma incursão no negócio de vestuário desportivo da Puma, de que irá sair.


A LVHM, grupo dono da Louis Vuitton, integra marcas como Christian Dior, Emilio Pucci, Fendi, Givenchi, Kenzo, Loewe ou Marc Jacobs.

Em 2017, o grupo registou receitas recorde de 42,6 mil milhões de euros, uma subida de 13%. O lucro atingiu os 8,3 mil milhões de euros, mais 18% em termos homólogos.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
EMPRESAS DESTAS DEVERIAM SER BANIDAS 13.02.2018

GUCCI ' s, LOUIS VUITTON 's e quejandos da mesma laia são empresas parasitas, que não trazem qualquer criação de riqueza à sociedade, mas tão só vivem de predar o pior que o Homem tem em si, ou seja, a vaidade, a futilidade e a frivolidade !

SÃO O EXCREMENTO SOCIAL.

pub