Banca & Finanças Dono do Sunderland interessado em investir no imobiliário em Portugal

Dono do Sunderland interessado em investir no imobiliário em Portugal

Ellis Short, que esteve na Lone Star até 2007, captou 2 mil milhões de euros para investir na Europa. Portugal é o país preferencial para o fundo de "private equity", diz o empresário ao Financial Times.
Dono do Sunderland interessado em investir no imobiliário em Portugal
Han Kuem Sun/Bloomberg
Diogo Cavaleiro 15 de junho de 2017 às 07:51

O dono do clube de futebol inglês Sunderland captou 2 mil milhões de euros para investir no imobiliário que está nos balanços dos bancos. Ellis Short (na foto) pretende investir exclusivamente na Europa, com Portugal em destaque.

 

Ao Financial Times, o empresário, que entre 1994 e 2007 esteve na Lone Star - o fundo de "private equity" americano que está em processo de compra do Novo Banco -, admite que quer investir em países onde sente "que pode ainda obter consideráveis retornos do capital investido".

 

Reino Unido, Alemanha, Holanda, Itália e Portugal são os mercados em que o fundo criado por Ellis Short prefere investir. Mas ao Financial Times, o empresário sublinha que Portugal tem um interesse particular. De acordo com o site do Kildare Partners, o fundo criado em 2013 por Ellis Short tem Ana Tavares, que esteve já no Santander, no JPMorgan, Deutsche Bank e Merrill Lynch, como responsável pelo investimento originado em Portugal.

 

Nos últimos anos, após a crise financeira e da dívida que atingiu o país, os imóveis depositados nos balanços dos bancos atingiram valores recorde. Em 2015, por exemplo, eram 7 mil milhões de euros só nas principais instituições financeiras.

 

O objectivo do fundo é investir no mercado imobiliário que está nos balanços dos bancos, que foi aí parar por via da entrega de casas cujos titulares estavam em incumprimento no pagamento do crédito ou através da execução de garantias dadas por construtoras.
Estes imóveis pesam no balanço das instituições, obrigando à alocação de capital para os cobrir. Contudo, desfazer-se desses imóveis não pode ser feito pelos bancos a qualquer preço, tendo em conta o valor a que estão contabilizados nos balanços. Já para os investidores neste tipo de mercado, o objectivo é diferente.

 

"O principal desafio é simplesmente conseguir chegar a um ponto em que se acorda um preço ou em que o vendedor está disposto a assumir qualquer que seja o desconto para vender um activo ao preço de mercado", declarou Ellis Short à publicação financeira.

 

Os fundos de "private equity" investem com o objectivo de obter retorno financeiro para os seus investidores. No caso do presidente do Sunderland, alguns exemplos desses investidores são Texas Permanent School Fund e o New Mexico Educational Retirement Board. 

Ellis Short fez carreira na compra de imobiliário ou de activos associados a imóveis (como crédito hipotecário malparado), sobretudo na Ásia em nome da Lone Star.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mais um especulador... 15.06.2017

...mais um a ajudar a aumentar a especulação que se vive no mercado imobiliário português, e que está a afectar significativamente as hipóteses de acesso dos portugueses à compra/arrendamento.

pertinaz 15.06.2017

Ah Ah Ah

bazanga 15.06.2017

Mais uma má notícia para os portugueses (excluindo classe alta, claro) que querem comprar casa no seu país.

pub