Empresas DST amplia edifício logístico da Bosch em Aveiro

DST amplia edifício logístico da Bosch em Aveiro

A DST é a responsável pela expansão do edifício logístico da Bosch Termotecnologia, localizado no seu complexo fabril de Aveiro, um dos três que a multinacional alemã tem em Portugal. A obra deverá gerar uma facturação de um milhão de euros para a construtora bracarense.
DST amplia edifício logístico da Bosch em Aveiro
A obra de ampliação e remodelação do edifício logístico da Bosch Termotecnologia, em Aveiro, representa uma facturação de um milhão de euros para o grupo DST.
Rui Neves 15 de março de 2017 às 13:52

Na Bosch Termotecnologia, em Aveiro, onde a multinacional alemã vai investir mais 26,2 milhões de euros no aumento da capacidade de produção da sua fábrica de esquentadores, caldeiras e bombas, a construtora bracarense DST foi a escolhida para proceder à ampliação e remodelação do edifício logístico da empresa.

Com assinatura do gabinete Aveiplano, a obra "representa cerca de um milhão de euros no volume de negócios da DST e permitirá a relocalização do cais de carga, por forma a melhorar a acostagem dos camiões ao edifício, nomeadamente para cargas e descargas de matérias-primas e produtos finais", adiantou ao Negócios fonte oficial do grupo de Braga.

Para além da ampliação do edifício em 860 metros quadrados, serão também realizados trabalhos de arranjos exteriores, numa área de 1.400 metros quadrados, a que acresce a construção de uma canópia nova (telheiro), na continuidade da existente que ligará à zona de entrada do novo edifício.

Para José Teixeira, presidente do grupo DST, esta empreitada assume particular relevância na carteira do grupo, "uma vez que se trata de uma importante obra para a empresa líder mundial na área em que actua", realçando ainda que "é um orgulho poder intervir neste centro de competências mundial para o desenvolvimento de sistemas de água quente no grupo Bosch, inteiramente dedicado à Investigação e desenvolvimento".

Relativamente ao novo investimento a realizar pela Bosch Termotecnologia, que deverá criar 230 postos de trabalho directos e indirectos, o grupo alemão prevê que, um ano após a sua conclusão, em 2020, possa estar a facturar 271 milhões de euros.


A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub