Aviação EasyJet baixa lucros devido ao excesso de capacidade

EasyJet baixa lucros devido ao excesso de capacidade

A "low cost" britânica diz que o fim de outras companhias aéreas representa uma oportunidade de crescimento na Europa.
EasyJet baixa lucros devido ao excesso de capacidade
Bruno Simão/Negócios
Nuno Carregueiro 06 de outubro de 2017 às 07:51

A EasyJet fechou o exercício fiscal terminado a 30 de Setembro com um resultado líquido entre 405 e 410 milhões de libras (533 e 540 milhões de euros), o que traduz uma descida máxima de 17% face ao obtido no exercício anterior.

 

A estimativa anterior da companhia aérea "low cost" britânica apontava para lucros entre 380 e 420 milhões de libras (500,5 e 553 milhões de euros).

 

Apesar da queda nos lucros, a Easyjet parece estar em melhor forma do que outras "low cost" europeias, já que a crise no segmento levou já ao fim das operações da Air Berlin e da Monarch, enquanto a Ryanair está a ser afectada com o cancelamento de centenas de voos. De acordo com a Bloomberg, a descida das tarifas a nível global levou já à insolvência de três companhias aéreas na Europa desde Maio: Alitalia, Air Berlin e Monarch.

 

As contas da EasyJet também são afectadas pelo excesso de capacidade, numa altura em que as "low cost" estão a perder terreno para as companhias tradicionais, que baixaram os preços devido aos custos mais baixos com combustíveis e outros itens.

 

De acordo com a EasyJet, as receitas por lugar de avião desceram 1,4% no segundo semestre fiscal, o que se situa abaixo dos 2% que a companhia previa. A impactar de forma negativa os resultados da EasyJet esteve ainda a queda da libra, que eliminou 100 milhões de libras aos lucros operacionais antes de impostos.

 

"O mercado continua a estar desafiante e a EasyJet teve que absorver um impacto cambial significativo", afirmou a CEO Carolyn McCall, assinalando que o fim de outras companhias aéreas "representam uma oportunidade "para crescermos nos principais aeroportos europeus".  

  

Em comunicado, a empresa refere que a easyJet aumentou a sua capacidade em 8% no último trimestre, em comparação com o ano anterior, "continuando a conquistar quota de mercado e posições de liderança nos principais aeroportos". 

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub