Aviação Easyjet recebeu o seu primeiro A320 neo, que consome menos 15% de combustível

Easyjet recebeu o seu primeiro A320 neo, que consome menos 15% de combustível

A companhia britânica de baixo custo Easyjet recebeu esta manhã, em Toulouse, França, o seu primeiro avião Airbus A320 neo, um modelo com várias melhorias técnicas, que consome menos 15% de combustível e gera metade do ruído da versão original.
Easyjet recebeu o seu primeiro A320 neo, que consome menos 15% de combustível
Bruno Simões 14 de junho de 2017 às 12:24

A Easyjet recebeu esta manhã o seu primeiro avião Airbus A320 neo, numa cerimónia em Toulouse, França, que contou com a presença do CEO da empresa aeronáutica europeia, Tom Enders, e da CFM, Gael Meheust, que produziu os motores LEAP 1 que equipam a aeronave. Este é também o 300.º avião da Airbus que é entregue à Easyjet, que opera uma frota exclusivamente baseada em aeronaves A319 e A320. Carolyn McCall, CEO da Easyjet, diz que a versão neo "vai melhorar de forma significativa o nosso custo por lugar".

 

O Airbus A320 neo ("new engine option", ou nova opção de motor) já começou a voar no ano passado – na verdade, a aeronave hoje entregue à Easyjet é a 117.ª deste modelo a entrar em operação em 25 outras companhias aéreas. Face ao A320 convencional – que agora passa a designar-se ceo ("current engine option", ou opção de motor actual), o novo modelo garante uma redução de 15% no consumo de combustível e nas emissões de dióxido de carbono, e ainda uma redução acentuada de 50% do ruído produzido na descolagem e aterragem, devido a um aperfeiçoamento aerodinâmico das asas e das nacelas (que abraçam os motores e estão ligadas às asas).

 

"É um avião incrivelmente silencioso", descreveu Tom Enders, da Airbus, que classificou a Easyjet como a maior companhia de aviões de um só corredor ("single aisle") na Europa, que lembrou a relação entre as duas empresas. "Parece que foi ontem que entregámos o primeiro avião, Carolyn", começou por dizer. "O primeiro contrato de risco foi assinado em 2001, entregámos o primeiro avião em 2003 e aqui estamos, 14 anos depois, a entregar o 300.º avião", quantificou.

 

O que significa que a Airbus entrega um avião à Easyjet "a cada 17 dias, quase um a cada duas semanas", precisou Tom Enders.

 

A TAP também fez uma encomenda de vários A320 neo, que deverão ser entregues no início do próximo ano, segundo as previsões mais recentes. Também encomendou vários A330-900 neo, em vez dos novos A350.

 

Easyjet faz "upgrade" de 30 aeronaves para modelo A321

 

O novo avião, que terá uma configuração de 186 lugares, entra ao serviço "hoje ou amanhã", afirmou a CEO da Easyjet, Carolyn McCall, e vai permitir "melhorar de forma significativa o nosso custo por lugar" – face ao actual A320, a Easyjet estima poupanças de 7%. A companhia encomendou um total de 130 aeronaves de modelo neo "narrow body" (com um só corredor), o que fará dela o maior cliente deste tipo de avião, e que serão entregues ao longo dos próximos cinco anos.

 

Carolyn McCall explicou ainda que, das 130 encomendas de A320 neo, 30 foram transformadas em pedidos do novo A321 neo – aeronave que ainda não entrou em operação comercial devido a um "ligeiro atraso" da Airbus, reconheceu Tom Enders. "Mudámos 30 das encomendas para A321, que tem 235 lugares, e a primeira entrega está marcada para 2018", em Julho, informou Caroline McCall. "O A321 permite-nos crescer em aeroportos com problemas de ‘slots’, em que a capacidade de crescimento está limitada", e a aeronave "resolve esse problema oferecendo mais lugares".

 

Face ao A320 neo, o A321 tem mais 30% de lugares. E em relação ao A319, o aumento é de 50%.

 

McCall realçou a redução do ruído para metade, o que será importante especialmente para "quem vive perto dos aeroportos". A redução de emissões também é importante, diz a CEO. A companhia apresentava uma pegada ecológica de 116 gramas de dióxido de carbono por passageiro/quilómetro no início dos anos 2000. Actualmente, esse consumo é de 80 gramas, e a companhia aponta para reduzir as emissões para 72 gramas em 2022.

 

Cada aeronave A320 neo tem um preço de tabela de 108 milhões de dólares (96 milhões de euros), e cada avião A321 custa 127 milhões de dólares (113 milhões de euros) no catálogo. A Easyjet, contudo, não pagou estes valores, porque negociou os preços com a Airbus e obteve um "desconto substancial", beneficiando do facto de ter feito uma grande encomenda.

 

Há 5.000 encomendas de Airbus A320

 

Neste momento, existem 5.000 encomendas de aeronaves da família A320 neo (que inclui também as aeronaves A319 e A321) de mais de 100 operadores de todo o mundo. Cada aeronave demora em média sete semanas a ser produzida e entregue ao novo dono, a partir do momento em que as duas principais secções da fuselagem (a da frente é produzida em Hamburgo, Alemanha, e a de trás em Toulouse) chegam à sede da Airbus, igualmente em Toulouse.

 

A aeronave é montada em três fases: depois de as duas partes da fuselagem serem unidas, as asas, produzidas no Reino Unido, são montadas em segundo lugar, ao mesmo tempo que os trens de aterragem, seguindo-se a cauda, onde estão os estabilizadores verticais, de fabrico alemão, e os estabilizadores horizontais, que vêm de Espanha. Os motores e os "sharklets", pequenas aplicações na ponta da asa que reduzem o consumo de combustível, são colocados num outro edifício junto ao aeroporto de Toulouse-Blagnac.

 

Actualmente, a Airbus produz 50 aviões por mês nas fábricas de Hamburgo (Alemanha), Tianjin (China), Mobile (EUA) e Toulouse (França). O objectivo da empresa é aumentar essa produção para 60 aeronaves por mês em 2019.A família A320 tem uma fatia de 60% do mercado de aviões "single aisle", informou a companhia. O seu maior concorrente é a Boeing e o seu modelo 737, usado, por exemplo, pela Ryanair.

*O jornalista viajou para Toulouse a convite da Easyjet




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
beachboy 14.06.2017

...site transparente...
...sistema de compra de bilhetes simples, claro e transparente...
...serviço simples, prático e funcional...
...preços competitivos...
...um prazer de voar com esta companhia...

Saber mais e Alertas
pub