Banca & Finanças EBA aponta malparado e fraca rentabilidade como maiores desafios da banca

EBA aponta malparado e fraca rentabilidade como maiores desafios da banca

O elevado malparado e a fraca rentabilidade são os maiores desafios da banca europeia, problemas que se fazem sentir de forma particular em Portugal. Banca nacional também é apontada por ter custos operacionais altos.
EBA aponta malparado e fraca rentabilidade como maiores desafios da banca
Maria João Gago 02 de Dezembro de 2016 às 21:00

Os "elevados níveis de crédito malparado e a sistemática baixa rentabilidade" são os "principais desafios" que se colocam aos bancos europeus. E Portugal é um dos países em que estes problemas são mais evidentes, de acordo com um estudo da Autoridade Bancária Europeia (EBA, na sigla inglesa), publicado esta sexta-feira, 2 de Dezembro.

 

"Há diferentes razões para a fraca rentabilidade. Por exemplo, em países como a Grécia, Itália, Chipre, Espanha e Portugal, os bancos são menos rentáveis sobretudo devido às elevadas imparidades, isto apesar da sua capacidade de gerarem níveis aceitáveis de resultados operacionais", refere o relatório sobre a Avaliação de Risco do Sistema Bancário Europeu, realizado pela entidade liderada por Andrea Enria.

 

Portugal é também referido como um dos países em que a banca apresenta custos operacionais elevados, o que também penaliza a sua capacidade de gerar lucros. "Outra razão [para a fraca rentabilidade] são os gastos operativos. Na Bélgica, Alemanha, França, Itália, Áustria e Portugal (…)as despesas operacionais afectam de forma significativa a capacidade de os bancos gerarem lucros em termos eficientes", sublinha o documento.

 

No que diz respeito ao malparado, Portugal surge em terceiro lugar dos países com maior nível de NPL (do inglês "non performing loans) ponderado, a seguir a Chipre e à Grécia. No final de Junho, os dois países do Mediterrâneo apresentavam rácios ponderados de NPL de 47% e 46%, respectivamente, seguidos por Portugal com uma percentagem de 20%.

 

"É necessária actuação em relação aos NPL, incluindo medidas de supervisão, reformas estruturais e desenvolvimento dos mercados secundários", defende a EBA.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Fechem os Bancos todos. Há 1 semana

Agora e o malparado, nas escolas onde estudei, chamava-se de falta de rigor adeministrativo. 1° quem emprestou as ditas empresas sem, saber se tinham garantias. 2 Os banquinhos fizeram do dinheiro uma roleta perderam tudo e agora dos cobardes dos politicos rouba-nos a todos nos. Fechem os bancos.

Anónimo Há 2 semanas

Secalhar ainda e assim:quando 1 empresa pedia ao banco centenas de milhares de euros para aplicar na empresa,80% eram desviados para proveitos proprios,secalhar e o TAL MALPARADO.Quem nao se lembra:ia-se ao banco pedir para 1 casa e eramos confrontados com emprestimos para carro,ferias,borgas e borg

pub
pub
pub
pub