Imobiliário Edifício de escritórios em Hong Kong bate recorde ao ser vendido por 5,2 mil milhões

Edifício de escritórios em Hong Kong bate recorde ao ser vendido por 5,2 mil milhões

O valor da venda do edifício The Center quase duplica o montante envolvido no negócios até aqui recordista.
Edifício de escritórios em Hong Kong bate recorde ao ser vendido por 5,2 mil milhões
O The Center é o quinto edifício mais alto de Hong Kong
Reuters
Negócios 02 de novembro de 2017 às 11:26

O bilionário asiático Li Ka-shing chegou a acordo para vender a posição maioritária que detém na holding que controla o arranha-céus The Center.

 

Segundo o Financial Times, o negócio foi fechado por 40,2 mil milhões de dólares de Hong Kong (5,2 mil milhões de dólares), tornando este o edifício de escritórios mais caro de sempre. O The Center é o quinto edifício mais alto de Hong Kong.

 

Do lado comprador estará um consórcio de vários investidores chineses, liderado por uma empresa de energia.  Li Ka-shing, que segundo a Forbes é o 19º homem mais rico do mundo, fez fortuna precisamente no sector imobiliário.

 

Este negócio, segundo o jornal britânico, ilustra a falta de oferta de espaço de escritórios no mercado de Hong Kong, e também o forte apetite dos investidores chineses por activos de imobiliário. Têm comprado edifícios em Hong Kong mas também noutras regiões do globo, como a Europa e os Estados Unidos.

 

O edifício de escritórios mais caro do mundo era até agora o Century Link Complex, localizado na China e que em Outubro do ano passado foi vendido por 2,95 mil milhões de dólares. Li Ka-shing também esteve do lado da venda neste negócio. Segundo os dados da Dealogic citados pelo FT, seguem-se três edifícios de escritórios em Paris, Nova Iorque e Madrid, que foram vendidos por 2,8 mil milhões de dólares cada um.


"Esta transacção representa um sinal muito forte sobre o apetite dos investidores chineses em tornarem-se os principais proprietários no mercado imobiliário de Hong Kong, que enfrenta uma escassez de oferta e uma forte perspectiva de criação de valor no longo prazo", disse ao FT Henry Chin, da CBRE Asia. 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar